quinta-feira, 7 de março de 2019

A Batalha de Azincourt do andebol

O desporto é a guerra por outros meios, pacíficos, claro está. Quem assistiu ao jogo de ontem contra o Porto em andebol tão cedo não o esquecerá, seja portista ou sportinguista. Nestas circunstâncias vem-nos sempre à cabeça a Batalha de Azincourt e a peça de teatro Henrique V de William Shakespeare. 

Como os franceses, os do Porto eram superiores em número e armamento. A equipa é constituída por jogadores de notável envergadura física que poucos do Sporting podem igualar. Dispõe de dois guarda-redes brilhantes, especialmente o Alfredo Quintana, que durante épocas e épocas foi a nossa besta negra. A equipa é excelentemente treinada e dispõe de um modelo de ataque com sete jogadores que se tem revelado uma dor de cabeça para todos os adversários, nacionais e internacionais, aproveitando a referida envergadura física de dois dos três pivôs cubanos e do enorme acerto das pontas, nomeadamente do António Areia. 

Os do Sporting ganham em experiência, em particular com a experiência do Ruesga, mas a equipa no seu conjunto apresenta diversas fragilidades, sendo a mais evidente a ausência de um lateral direito de raiz. Não dispõe de alternativas sólidas em certas posições, como é o caso do central e do ponta direita (o Arnaud Bingo foi contratado recentemente mas pouco ou nada tem sido utilizado). Sobretudo, o plantel é curto em qualidade e quantidade para a exigências das diferentes competições em que o Sporting está envolvido, bastando a lesão de um jogador para que essas fragilidades sejam ainda mais evidentes.

A equipa do Porto entrou melhor e rapidamente ficou por cima do marcador e do jogo. O ataque do Sporting emperrava, com pouca circulação de bola e dificuldade de fazer chegar a bola ao pivô, restando a meia distância, com eficácia intermitente. Na defesa, havia muita dificuldade de parar o jogo das pontas do Porto. Para dificultar ainda mais a tarefa, um dos árbitros resolveu intrometer-se no jogo, fazendo um número que costumamos ver todos os fins-de-semana no campeonato de futebol e transformando-se no principal artista. A exclusão por quatro minutos do Tiago Rocha constitui um manual de tudo o que um árbitro não pode, nem deve, fazer naquelas circunstâncias. Os livres de sete metros convertidos pelo Ghionea permitiram-nos ir para o intervalo a perder só por três (12-15). 

Na segunda parte tudo mudou. Estes jogos, os jogos de e para campeões, ganham-se na defesa, ganham-se em equipa. É necessária muita entreajuda. É preciso que quando um jogador largue o pivô outro seja avisado e faça a necessária cobertura. É preciso que quando um jogador é passado na zona central, logo outro apareça na ajuda e pare o jogo. É preciso assegurar adequada deslocação dos jogadores ao longo da linha dos seis metros para que o adversário não ganhe vantagem no local onde circule a bola, permitindo libertar os pontas. Essa deslocação é dificultada pelos pivôs que têm essa como missão principal, sobretudo no caso do Porto, quando joga com dois. É preciso uma grande articulação entre o guarda-redes e os restantes jogadores porque, sozinho, não enche a baliza toda. 

O Sporting fez praticamente tudo bem a defender. É quase impossível permitir que uma equipa como a do Porto marque somente oito golos em trinta minutos. Mas não basta ter um plano para defender, é necessário acreditar e acreditar que o colega de equipa ao nosso lado nos ajuda como nós o ajudamos. Cada defesa faz acreditar mais nessa solidariedade e nesse sentimento de partilha. E o público é fundamental para essa crença. Os sportinguistas que estiveram no João Rocha acreditaram e fizeram os jogadores acreditar cada vez mais, enquanto procuravam desanimar os do Porto e desacreditar o árbitro que se tinha revelado artista na primeira parte. E apareceu Skok, pelos seus méritos e pelos méritos dos seus colegas a defender. 

No ataque, com o Ruesga a comandar, sabemos que não há precipitações e as jogadas decorrem como o planeado. O Francis Carol apareceu quando era preciso e o Frade foi uma completa surpresa para mim. Foi imparável. É a partir de uma exclusão do Miguel Martins arrancada por ele que o Sporting passa para a frente do jogo e amplia uma e outra vez o resultado, com dois golos dele também, depois de ganhar o seu espaço junto de calmeirões do Porto com mais de cem quilos e bater um guarda-redes como o Alfredo Quintana que sai rapidamente em leque como nenhum outro. 

O jogo acaba como a Batalha de Azincourt, com os franceses batidos, mas com o “fair play” que se exige aos vencedores e aos vencidos (o Canela agradeceu ao público e aos seus jogadores e destacou a qualidade da equipa do Porto e o Magnus Anderson, embora perdendo, não destoou). O que uns e outros nos proporcionaram foi um excecional espetáculo com emoção a rodos. Há quem diga que acabámos. Há quem diga que estamos insolventes. Há quem diga que estamos divididos entre croquetes e brunetes. Perguntem a cada um que esteve no Pavilhão João Rocha e aos que viram o jogo na televisão o que sentiu e o que pensou, isto é, o que viveu. Saltámos com o Frankis, lutámos com o Frade, atirámo-nos para o chão com o Skok, dissemos com o Ruesga aos colegas qual era a jogada que iríamos desenvolver, festejámos com eles como se tivéssemos sido nós a marcar os golos e a defender os remates dos adversários. Durante aquele tempo memorável só houve Sporting e fomos todos Sporting!

15 comentários:

  1. Belíssimo filme do jogo. Épico, como no hóquei, no voley, no Futsal.
    É tão grande.
    É tão clube o nosso Sporting

    Allfacinha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado. Ser do Sporting e ser Sporting é uma coisa simples. Vive-se simplesmente.

      SL

      Eliminar
  2. Caro Rui:

    Segundo reza a lenda, o famoso gesto com o dedo do meio esticado, provém dos arqueiros ingleses e foi feito no fim da batalha, em resposta à ameaça do homólogo Francês de que iria amputar o dedo que larga a corda dos arqueiros, quando fossem derrotados e capturados.

    Antes da batalha, o Rei Inglês proferiu um discurso arrebatador, galvanizando os seus soldados.

    Durante a mesma, Henrique V demonstrou bravura e fraternidade extraordinárias, quando himself e em pleno combate, à força de espada, resgatou o seu irmão mais novo das mãos dos soldados franceses que o haviam capturado.

    Assim fomos nós TODOS ontem: corajosos, destemidos e solidários, como aliás descreveu e muito bem, no último trecho do post.

    Atentamente:

    Miguel Correia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Miguel Correia,

      Esta guerra do Sporting dura há mais tempo do que a guerra dos cem anos. Há muito que não me emocionava tanto a ver um jogo seja de que modalidade for.

      SL

      Eliminar
  3. Belo post. Fomos ontem Sporting e somos hoje e sempre! É tão grande o nosso Sporting.
    J.Rocha. SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro J. Rocha,

      O nosso Sporting é imenso. Ser do Sporting é simples: estamos a ver um jogo como aquele e sabemos que pertencemos ao Sporting.

      SL

      Eliminar
  4. De facto, o Fcp tem muitos jogadores de grande estatura mas ontem , na segunda parte, o Sporting foi mais equipa.
    Percebo a comparação com a batalha de Azincourt em que os ingleses, apesar de em menor número, venceram mas acabaram por perder a Guerra, chamada dos cem anos. Nós não queremos vencer apenas esta batalha mas sim vencer a guerra.
    P.S. No andebol não temos de ouvir os comentários imbecis da Sport Tv.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      A SportingTv tem um excelente comentador. Aprende-se e percebe-se melhor o jogo com ele. Espero que esta batalha não acabe como a guerra dos cem anos. Como andámos há mais tempo do que isso, também não pode ser uma guerra dos cem anos, quanto muito dos duzentos pelo menos.

      SL

      Eliminar
  5. Quanto ao Arnaud Bingo , estás mal informado ele não pode jogar
    porque não estava inscrito na altura a que correspondia a data do jogo.OK:

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado.

      Estava à espera que o Bingo fosse a arma secreta, porque não tem jogado praticamente. Este jogo contra o Porto estava em atraso e agora percebo bem.

      SL

      Eliminar
  6. Brilhante descrição e espírito de união das equipas das modalidades do nosso SCP! Essa que fazia tanta falta na modalidade dos ricos, jogadores, equipas técnicas e aspirantes a dirigentes...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado.

      Há uma cultura de vitória nas modalidade (ditas) amadoras. O caso mais evidente até é o atletismo. Era importante que esta e qualquer outra direção percebe-se porque razão existe essa cultura de vitória que infelizmente não existe no futebol.

      SL

      Eliminar
  7. Não há meninos mimados e há grandes capitães e treinadores que têm o clube acima de tudo (também não há Otávios)

    ResponderEliminar
  8. Estou muito empolgado porque meu casamento desfeito foi restaurado e meu marido voltou depois que ele deixou meus dois filhos por outra mulher. Após 8 anos de casamento, eu e meu marido discutimos uma ou outra até que finalmente me deixou e se mudou para a Califórnia para ficar com outra mulher. senti que minha vida havia terminado e meus filhos pensaram que nunca mais veriam o pai. Eu tentei ser forte apenas para as crianças, mas não conseguia controlar as dores que atormentam meu coração, meu coração estava cheio de tristezas e dores, porque eu estava realmente apaixonada por meu marido. Todos os dias e noites penso nele e sempre desejava que ele voltasse para mim. Fiquei realmente chateado e precisava de ajuda. Por isso, procurei ajuda on-line e me deparei com um site que sugeria que o Dr.Wealthy pode ajudar a ex-voltar velozes. Então, eu senti que deveria experimentá-lo. Entrei em contato com ele e ele me disse o que fazer e, então, ele fez um (feitiço de amor) por mim. 28 horas depois, meu marido realmente me ligou e me disse que sentia muita falta de mim e das crianças, tão incrível! Foi assim que ele voltou naquele mesmo dia, com muito amor e alegria, e pediu desculpas por seu erro e pela dor que causou a mim e às crianças. Então, a partir daquele dia, nosso casamento ficou mais forte do que era antes, tudo graças ao Dr.Wealthy. ele é tão poderoso e eu decidi compartilhar minha história na internet que o DR.WEALTHY, real e poderoso feiticeiro, que eu sempre orarei para viver muito tempo para ajudar seus filhos em tempos de problemas, se você estiver aqui e precisar do seu Ex de volta ou seu marido se mudou para outra mulher, não chore mais, entre em contato com este poderoso lançador de feitiços agora. Aqui está o contato dele: envie um e-mail para: Account: wealthylovespell@gmail.com, visite o site http://wealthyspellhome.over-blog.com, você também pode ligar para ele ou adicioná-lo no Whats-app: + 2348105150446, OBRIGADO AO Dr.Wealthy

    ResponderEliminar
  9. Sou DONNA, sou do Reino Unido. Depois de um relacionamento com meu namorado há 1 ano, e planejávamos nos casar em breve, e de repente ele me deixou para outra garota. Na verdade, eu realmente amo esse cara e nunca consigo imaginar a vida sem ele. Eu tentei ainda o meu melhor para recuperá-lo, mas todo o meu esforço para recuperá-lo em minha vida não deu certo. Foi nesse dia fiel que me deparei com alguns testemunhos em um site sobre esse grande lançador de feitiços chamado (DR.WEALTHY), qualquer pessoa alegou que ele os ajudou a renovar seu relacionamento e trazer seu ex-amante de volta, tive que entrar em contato com ele porque ele era minha última esperança. Entrei em contato com ele por e-mail e ele me garantiu que em três dias meu namorado vai deixar a outra garota e voltar para mim. Foi uma surpresa muito grande ver meu namorado voltando para mim depois de três dias que o feitiço estava feito. Estou tão feliz hoje que ele voltou para mim e eu consegui isso com a ajuda do DR.WEALTHY Eu também quero aproveitar esta oportunidade para contar / aconselhar a quantos precisam do ex-marido, se você precisar da ajuda dele, pode Entre em contato com ele pelo e-mail: wealthylovespell@gmail.com WHATSAPP HIM @ +2348105150446 visite o site http://wealthyspellhome.over-blog.com

    ResponderEliminar