quarta-feira, 4 de março de 2020

Não nos damos com os das roulottes e das bifanas

Ainda antes de começar, o jogo contra o Famalicão já não interessava nada. Demorei um pouco mais a descer de casa para o café onde costumo ver futebol e, quando cheguei, estávamos a perder por dois a zero. Comecei a trocar umas mensagens com alguns amigos. Estávamos todos a ver o jogo e ninguém o estava a ver de facto. Em cima do intervalo, o Coates reduz a desvantagem e envio mais uma mensagem: “Porque é que não se treinam estas bolas para o Coates de manhã até à noite?”. “Porque é que não jogamos com o Coates a avançado depois da saída do Bas Dost? Em Portugal, mais de metade dos jogos ganham-se com um avançado assim”, respondem-me. 

Ao intervalo, o Coates ainda procurou dar algum ânimo e orientações aos seus colegas, mas, mal se iniciou a segunda parte, a modorra apoderou-se deles. Insistia-se pelo meio, com dois jogadores rápidos e visionários, o Battaglia e o Eduardo, a trocarem a bola entre si a passo de tartaruga e com os restantes jogadores a assistir. O Vietto invejoso com este protagonismo intrometeu-se numa dessas jogadas, perdendo a bola e permitindo o respetivo contra-ataque do adversário que originou o terceiro golo, com um avançado a atravessar todo o nosso meio-campo como cão por vinha vindimada e a passar pelo Neto como se de um pino se tratasse. 

Ainda preocupados com a possibilidade de não nos conseguirmos derrotar, o árbitro e o vídeo-árbitro resolveram ajudar. A ajuda foi preciosa, evitando a marcação de dois “penalties” que, nunca fiando, ainda poderiam permitir a reviravolta no resultado. Os jogadores têm regras, códigos de conduta tácitos, não escritos, que cumpre respeitar. Bater no Acuña não conta, podendo-se ainda receber de brinde a sua expulsão. No entanto, quando se quer dar porrada sistematicamente num jogador adversário, deve-se variar de caceteiro: uma vez dá um, outra vez dá outro e assim sucessivamente. Compreende-se, assim, que o Acuña tenha levado meia dúzia de mocadas e o árbitro acabasse por lhe mostrar o habitual cartão amarelo, não se compreendendo é que tenha sido o mesmo jogador do Famalicão a dar-lhas. 

O Silas despediu-se com dignidade. Não se queixou de nada nem de ninguém. Disse que não conseguiu e ponto final. Aproveitou também a oportunidade para apresentar aos sócios e adeptos o novo treinador do Sporting. Em qualquer clube, costuma ser o Presidente a fazê-lo. Também neste contexto a nossa gestão revelou que está muito à frente: em Harvard é assim que se está a ensinar há um par de anos. Sim, no Sporting lê-se todos os dias a “Harvard Business Review”, somos chiques, não nos damos com os das roulottes e das bifanas.

21 comentários:

  1. Sobre o jogo nada a dizer, infelizmente !
    Sobre a gestão do dossier treinador tenho a dizer que é escandalosa e elucidativa do desnorte da direcção do Sporting.
    10 milhões por Rubem Amorim ? 10 milhões ? 3 milhões de ordenado ? 3 milhões ? Com um pouco de jeito ainda tinhamos oferecido o Palhinha ! Uma vergonha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma vergonha não! Eu diria mais um escândalo! Desculpem-me mas enquanto esta direcção estiver no Sporting, vou emigrar...espero que alguém de bom senso faça com que seja por pouco tempo! Se não houver bom senso de alguém,temo que tenha de emigrar para sempre!

      Eliminar
    2. Meu caro,

      Acho que se está a ultrapassar uma linha que, depois de ultrapassada, não há volta atrás. Ou sai a atual Direção e entra alguém com juízo ou então estamos a correr para o precipício.

      SL

      Eliminar
  2. Caro Rui Monteiro,
    Os meus parabén por conseguir escrever uma boa crónica no meio de toda esta estupefacção que é a contratação de Ruben Amorim por valores recordes para um treinador, quanto mais para um estgiário.
    Começando pela arbitragem, para deixar o essencial para o fim. Os penalties a favor do Sporting não são para marcar, os do SLB sim, mesmo que não sejam penalties, para depois o Pizzi falhar.
    Começando pelo jogo,estou completamente de acordo com a táctica de centros para Coates. O JJ, que tem muitos defeitos, mas é esperto, já tinha implementado essa táctica com Dost, mas depois vieram os treinadore de aviário,cahamdo Keizer que quiz aplicar tácticas mais vistosas e em resultado disso o Dost quase que desapareceu; o Doutor Gabardina encontrou disse que ele era muito caro e vendeu-o por tuta e meia; o Luiz Phellype, a passo de tartaruga, ainda aprendeu a cabecear com Bruno Fernandes mas como agora está lesionado, a estrutura invisível contratou Sporar que nunca terá marcado um golo de cabeça. Assim, resta o Coates para cabecear, nos cantos e nos livres. Como o Nani também era muito caro, o Gabardinas mandou-o embora; contratou-se o Jesé, o Bolasie e o Fernando mas so último nunca jogaou porque veio lesionado, o Gordinho espanhol raramente joga e o Bolasie, o menos mau, atrapalha-se com a bola. Depois Silas redescobriu Jovane, mas este, está mais que visto, será, sempre, uma promessa por cumprir. O Gudelj também foi embora porque era muito caro e contratou-se Doumbia e Eduardo, qual deles o pior para fazerem companhia ao Battaglia que não está obviamente em forma física para jogar o seu futebol, mais de força e menos de técnica. O Vietto é bom tecnicamente mas parece um menino mimado que, quando perde a bola, amua. Poderia continuar o rol de equívocos do Gabardinas mas depois da contratação (ainda por confirmar) de Ruben Amorim, esse sim é que é barato, já não me parecem euívocos ou erros mas sim gestão danosa deliberada, é que ninguém pode ser assim tão estúpido!
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por falar em "é que ninguém pode ser assim tão estúpido". Segundo o pasquim oficioso da direcção do gabardinas (gosto!), a contratação do Ruben Amorim foi acelerada por causa do interesse do Benfica. Ou seja, o Ruben Amorim preferiu vir já treinar este Sporting do que corresponder ao interesse do Benfica.

      A sério?

      Eliminar
    2. Noureddine
      Eu sou do Sporting desde que me conheço, mas se fosse treinador profissional de futebol, é óbvio que preferiria treinar o SLB, teria melhor equipa de base, maior orçamento para contratar novos jogadores e enfim a tal estrutura que garante aqui e acolá mais uns pontinhos, JJ que o diga. Em conclusão, o Amorim pode ser louco por se disponibilizar a treinar num clube de malucos, gerido por incompetentes, mas concerteza não é estúpido para preferir esse caminho em vez de treinar o SLB. Não sei se Vieira também equacionou, naquelas noites em que vê a Luz,contratar Amorim, mas, se o fez, decidiu não avançar, ou então não quiz fragilizar, mais, o Lage.

      Eliminar
    3. Meu caro,

      As contradições são mais do que muitas. Não temos dinheiro para o Dost e o Nani, mas temos para o Bolasie, o Jesé e o Fernando. Não temos dinheiro e preparamo-nos para bater o recorde de transferência de um treinador, sobretudo se o montante for dividido pelo número que horas como treinador principal de uma equipa.

      Como dizia atrás, acho que se está a ultrapassar uma linha que, depois de ultrapassada, não há volta atrás. Ou sai a atual Direção e entra alguém com juízo ou então estamos a correr para o precipício.

      SL

      Eliminar
    4. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    5. Caro Rui Monterio,
      A linha de que fala foi, hoje, ultrapassada. Pagar 10M€, ou mais de 12M€ com juros, pois o pagamento será faseado já que o Sporting tem pouco dinheiro, não é, na mimha opinião, apenas um acto de má gestão. É, isso sim, um saque ao património do Sporting. O gabardinas não é apenas incompetente, será muito pior que isso, hoje já não tenho dúvidas. Não escrevo todos os nomes que Varandas merece pois estou a responder a um comentário seu e o Caro não tem culpa nenhuma desta pouca vergonha. Varandas não perde pela demora, na próxima oportunidade que, dada a protecção do Dr.Alves, vai, ao que parece demorar, será corrido do Sporting e com a minha ajuda.
      SL

      Eliminar
  3. Como diria o Sportinguista Santana Lopes: está escrito nas estrelas que Rúben Amorim vai ser um grande treinador. Onde ainda não se sabe, no Sporting dificilmente, mas no Sporting quem vingou nos últimos 18 anos? Nem o MeSTRE das táticas a dar cartas na América do Sul.
    SL

    Jõa Balaia

    PS : claro que acho que 10 milhões de euros + IVA é um balurdio, mas quando se quer algo, movesse montanhas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro João,

      Admito que se faça tudo o que se pode para se ter o que se quer. Mas, com frequência, ter aquilo que se quer está para além do que pode ou, melhor dizendo, para além das posses.

      O problema é que também se queria o Keiser, também se queria o Leonel Pontes e também se queria o Silas. Agora quer-se o Amorim. Quer-se ter muito e muitos.

      SL

      Eliminar
  4. O Essencial no Sporting não são as arbitragens que nos roubam campeonatos há décadas e provocaram e provocam milhões de euros de prejuízo. O Essencial são eleições para presidente do Sporting - se possível mês sim, mês sim - par dar guarida a aventureiros (que nunca fizeram nada na vida) parasitas, basbaques presumidos e outros falhados que brotam nas redes sociais como os trolls (capazes de se trocarem por uma réstia de cebolas), bots, tasqueiros, pseudo-intelectuais (fascinados com o seu umbigo). Todos, de insulto fácil, dizem-se sportinguistas de alma e coração dando o seu "precioso" contributo para desestabilizar o clube que dizem amar. Falam de cátedra sobre gestão de recursos humanos (chamam "peças" aos jogadores), finanças, gestão de empresas, tácticas de jogo, metodologias de treino, etc. Preocupam-se muito com a Comunicação no Sporting ou a falta dela. Bruxo: uma "marmita" dá sempre jeito! Enfim: umas enciclopédias SEMPRE de olho no vil metal.

    Maria Santos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Maria Santos:

      Gosto da sua descrição e dos seus ajetivos: "aventureiros (que nunca fizeram nada na vida) parasitas, basbaques presumidos e outros falhados que brotam nas redes sociais como os trolls (capazes de se trocarem por uma réstia de cebolas), bots, tasqueiros, pseudo-intelectuais (fascinados com o seu umbigo)". Como é evidente, não se classifica em nenhuma destas categoriais. Nós somos sempre os outros, os bons, aqueles que os maus não deixam trabalhar.

      SL

      Eliminar
  5. Eu falo em meu nome e não me escondo atrás de "nicks". E o sr fala em seu próprio nome ou no do seu patrão?

    Maria Santos
    Soure

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Senhora Santos,
      O blogue não é meu mas, se o Rui Monteiro me permite, gostaria de sugerir-lhe que, o blogue mais adequado à sua adjectivação, talvez seja a Tasca. Estou certo que alguns tasqueiros,terão todo o prazer em responder-lhe, gratuitamente e com a vulgaridade que a senhora, parece estar habituada.
      Sem SL

      Eliminar
  6. Senhor Rui Monteiro:
    Não divido o mundo em Bons e em Maus. Para mim, ninguém é totalmente Bom e ninguém é totalmente Mau. Sou uma mulher com muitas limitações e tenho coinsciência das mesmas mas tenho direito à minha opinião e a liberdade de a tornar pública. O Senhor, como moderador deste seu blog, tem o dever de escolher o que pode ou não ser publicado e se os comentários dos seus leitores estão em consonância com a linha editorial por si definida. Tal como eu, o Senhor também tem o direito à sua opinião e de criticar os seus leitores. Gostaria, no entanto, de esclarecer que não sou paga para dizer o que acima escrevi, não me escondo atrás de "nicks" ou nomes falsos e nos meus 76 anos de idade, nunca me pus à venda nem à troca. Independentemente, dos meus gostos ou desgostos respeito toda a gente. Peço desculpas pelo incómodo que os meus comentários lhe causaram e prometo dizer "goodbye".
    Maria Santos
    Soure

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Maria Santos,

      A moderação de comentários restringe-se a quem não usa linguagem adequada ou quem promove formas de estar na vida e com os outros que não são compatíveis com regras de civilidade. Não é o caso. Simplesmente, a adjetivação pareceu-me excessiva e a linguagem moralista. Também é tão ampla e sem alvo definido que mete toda a gente num saco, inclusivamente quem escreve e comenta neste blogue.

      Há quem viva do Sporting ou tenha expetativas de viver. Aqui, neste blogue, não é o caso, nem de quem escreve nem de quem costuma comentar. Temos vidas pessoais e profissionais e escrever e comentar mais não serve do que, infelizmente, sublimar as nossas frustrações sportinguistas.

      SL

      Eliminar
  7. Contratar Rúben Amorim foi para a estrutura liderada por Varandas uma oportunidade a não perder...custasse o que custasse. Fez-me lembrar Sousa Cintra e o despedimento de Bobby Robson para aproveitar a oportunidade de contratar o "teórico e revolucionário na análise do jogo", prof. Carlos Queirós. Robson foi organizar o FCP e no ano seguinte foi campeão. Há já quem diga que o próximo treinador de Varandas será Custódio, mas eu duvido porque espero que Varandas nessa altura já não tenha poder para contratar ninguém. Mas também duvido que nessa altura o nosso Sporting esteja saudável e sustentável. Nas últimas eleições eu era um daqueles que preferia Varandas...

    ResponderEliminar
  8. Caro Vítor Cruz,

    Às vezes é preciso fazer alguma coisa. Contratar o Rúben Amorim era fazer alguma coisa. Logo contratou-se o Rúben Amorim. Penso que será a última coisa que o Varandas vai fazer. Há coisas que são evidentes.

    SL

    ResponderEliminar