quarta-feira, 5 de fevereiro de 2020

Todos iguais, todos diferentes e uns mais diferentes e iguais do que outros

Bruno Fernandes, Bruno de Carvalho, Bruno Lage e Bruno Paixão, todos iguais, todos Brunos, todos diferentes, um jogador, um dirigente, um treinador e um árbitro. Quem é mais decisivo na conquista de um campeonato: um jogador, um dirigente, um treinador ou um árbitro? Assim, de repente, lembro-me do jogo da época passada do Benfica contra Feirense quando, em vez da primeira equipa ir para o intervalo a perder por dois a zero, foi a ganhar por dois a um. 

Esta reflexão surgiu-me a propósito de uma frase sobre do Sporting de Sérgio Krithinas, Diretor Adjunto do Record: “É um facto que nenhuma equipa na Liga vê amarelos ao fim de tão poucas faltas, mas há mais explicações para este dado do que a malvadez dos homens do apito (sendo obrigada tantas vezes a lutar para recuperar de resultados negativos, também se expõe mais a contra-ataques)”. A sério? O Sporting vê mais amarelos não por “malvadez dos árbitros” mas por se “expor mais aos contra-ataques”? 

O Sporting é a equipa que tem mais amarelos no campeonato, a par do Paços de Ferreira, e a que apresenta menor número de faltas por cada amarelo. Para além disso, nos seus jogos, o Sporting tem sensivelmente as mesmas faltas por amarelo do que os adversários, enquanto os adversários do Benfica e do Porto têm cerca de menos duas faltas. Na época passada aconteceu exatamente o mesmo e só não posso afirmar o mesmo das época anteriores porque não disponho dos dados. Perante um padrão absolutamente evidente, consegue-se explicar estas estatísticas pela “maior exposição ao contra-ataque”? 

Embora se viva habitualmente à boa maneira portuguesa, cada vez que lemos os nomes dos árbitros, de observadores, de dirigentes, de comentadores, vêm sempre à memória o Apito Dourado e os emails. Uma coisa é a justiça, baseada nos princípios da presunção da inocência e do “in dubio pro reo”, outra coisa bem diferente é fazermos de conta que não ouvimos o que ouvimos ou não lemos o que lemos. As coisas são como são e como todos sabemos que são e não, não é uma questão de “malvadez”, não se trata de qualquer juízo intrínseco sobre a bondade ou a maldade do árbitro enquanto pessoa. É assim porque é assim, porque no campeonato português não pode ser de outra maneira. 

Não é possível fazer o exercício contrafactual, mas não tenho nenhuma dúvida que o Benfica com os jogadores do Sporting e o Silas era campeão. Era campeão, aliás, com qualquer plantel e treinador do campeonato. O Sporting não deve, nem precisa de fazer ruído. Deve recolher evidência e proceder à sua análise. Há excelentes universidades e centros de investigação por esse mundo fora que, por uma fração do preço do Sporar, se encarregam de desvendar as eventuais causalidades que os dados possam evidenciar. À Direção do Sporting, para início de conversa, recomendo a leitura de “O Livro do porquê. A nova ciência da causa e do efeito”, de Judea Pearl e Dana Mackenzie. Como dizem os autores, há muito que a causalidade foi matematizada e permite-nos saber mais sobre nós mesmos, o que significa pensar racionalmente causa e efeito, intenção e responsabilidade. 

15 comentários:

  1. Esse cirtinas é um lampião cretino .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Ser benfiquista não é defeito. Ser tonto e tentar fazer-nos passar por tontos é que é grave. Segundo ele, nos jogos contra o Benfica e o Porto os adversários também se expõem muito ao contra-ataque também? É que nos jogos contra o Benfica e o Porto, os adversários têm média de faltas por amarelo ainda mais reduzidas.

      A explicação é um pouco mais simples. O Sporting joga uma modalidade. O Porto e o Benfica jogam outra.

      SL

      Eliminar
  2. A ideia da pesquisa é aliciante desde que nao seja viciada à partida. É claro que o chorrilho de cartões é o mais badalado mas onde eu acho que está o truque é nas outras: Sporar nao cometeu falta, houve pisadelas iguais as dos nossos jogadores e Galeno bem podia ter mando o arbitro para a "garota de programa que o fez nascer" (temos de ser correctos, pois claro) que continuaria em campo. Uma pergunta: Não há nada a fazer quando a falta que coloca um jogador no estaleiro durante o resto da época nem sequer é assinalada? Pois me parece que uma das soluções seria precisamente o da punidade, já que a outra reina a seu belo prazer.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Sol Carvalho,

      Nos EUA, nomeadamente, há muito que se fazem estes estudos em modalidades como o basquetebol, o futebol americano e o basebol. Não faz sentido ter desportos profissionais, envolvendo milhões e milhões, sem que tudo mas mesmo tudo não seja analisado cientificamente recorrendo ao “state of the art”. No futebol e, em particular, em Portugal, anda tudo no palpite e movimentam-se milhões e milhões no meio de um completo amadorismo. Se fosse à Direção do Sporting, contratava uma boa universidade (estrangeira, para não haver confusões) para ir monitorizando os dados e produzindo informação relevante. Também serenamente ia escalpelizando através das imagens semana atrás de semana a forma como as arbitragens são conduzidas.

      O jogo do Braga foi patológico. Não importa tanto o critério, o que importa é a diferença de critério. Se os jogadores do Sporting levam amarelo quando protestam, não se percebe como é que o Galeno não o levou quando protestou. Se há uma altercação entre jogadores e o Luís Neto leva amarelo, então o Galeno também tem de o levar também. Se o Ristovski leva amarelo por choque com um adversário, não se percebe como é que o avançado do Braga não leva amarelo quando pouco depois choca com o nosso guarda-redes. Se o Acuna leva amarelo por calcar um adversário, não se percebe como esse adversário não leva amarelo quando calca o Wendell ou o Galeno quando calca o Ristovski. O lance do Sporar foi só para rir!

      SL

      Eliminar
  3. Arbitragem? Por amor de Deus, não façamos barulho. Sejamos elegantes.

    Não foi isso que incomodou tanto spor71nguista? As denúncias sobre o sistema rabolho? O criar condições para retirar o poder de decisão aos árbitros? Porque é aí que está o poder para decidir o campeonato, na falta que se assinala ou não.

    O Bruno de Carvalho (deduzo que já se possa pronunciar o nome, visto que foi lançado no início do texto) que foi criticado por abrir muitas frentes de batalha, todas em defesa do Sporting, isso e não ter sido campeão. Apesar de as ter aberto precisamente para ser campeão.

    Entretanto votaram Varandas. Nunca estivemos tão longe de sermos campeões. E quando as coisas começam a correr mal, um plantel montado como foi, incompetência atrás de incompetência, os croque71es começam a ganir sobre arbitragem.

    Têm o Sporting que merecem na posição que merecem.

    P.S.: respondendo ao senhor do post anterior. Eu recordo que o BdC teve que vender o Rojo e atrasar o pagamento à Doyen para conseguir ter algum fundo de maneio. (para lá do princípio, que se provou, sendo que os fundos foram proibidos, dando-lhe razão) Fundo de maneio para pagar despesas correntes. Não estamos a falar de um negõcio patrocínio televisivo record, ou jogadores, verdadeiros activos. Volto a dizer, é preciso estar bêbedo ou ver a CMTV para dizer que o Sporting foi entregue ao Varandas nas lonas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. https://www.forumscp.com/t/heran%C3%A7a-by-sr-frederico-varandas-e-amigos/44591

      Entretanto, quem quiser discutir o assunto de forma séria, sem usar argumentos do Pedro Guerra, pode ir aqui, onde está analisada "a herança pesada" deixada por Bruno de Carvalho, com Relatórios e Contas.

      Eliminar
    2. Meu caro,

      O Bruno de Carvalho não foi demitido pelos sócios pela denúncia sobre a arbitragem nem por nada do que diz. A partir de certa altura, enlouqueceu (à falta de melhor expressão) e os sócios acharam por bem demiti-lo. Não podemos achar que os sócios são inteligentes quando o elegem e não o são quando o destituem e elegem outro.

      Este tipo de comentários só serve para dar força aos nossos adversários. Nós não estamos a jogar o campeonato do Varandas contra o BdC. Estamos a jogar o campeonato contra o Benfica e o Porto. Sobre isso o seu comentário nada diz.

      SL

      Eliminar
    3. Não, não estamos.

      Graças a certa malta, sócios admito, estamos a jogar o campeonato com o Braga, Famalicão e Rio Ave.

      E se esta direcção continuar, em breve estamos a disputar com o Tondela, o Santa Clara e o Gil Vicente.

      Eliminar
    4. E quando disputámos com Porto e Benfica?
      Ganhamos o que?
      BOLA!

      N-ao é por aí...............


      Joã Balaia

      ps : o gozo que me deu o Porto empatar no Fontelo, onde joguei no tempo do campo pelado, jogos entre escolas.

      Eliminar
    5. É preciso estar bêbedo de vinho de pacote para comparar a presidência de BdC, em que CONTÁMOS PARA O CAMPEONATO e em que fizemos jogos contra a Juventus e Madrid de olhos nos olhos com as presidências anterior e posterior.

      É impossível comparar em qualquer parâmetro. Desportivo, financeiro, gestão do clube, património. Modalidades.

      Tanto, que considero que só um rabolho pode pretender colocar tudo no mesmo saco.

      É que mesmo que se pretenda a argumentação final de que BdC nunca ganhou nenhum campeonato, foi o que mais o tentou alcançar nos últimos anos, lutando contra um Sistema que é o que o que é descrito aqui no blogue frequentemente. E que foi criticado por criar muitas frentes de guerra.

      Eliminar
  4. Começo por protestar pelo facto de ter colocado o Bruno Fernandes em tão más companhias!

    Em relação aos cartões, o que me deixa perplexo, ou talvez não, é o que se passa nas competições europeias. O Benfica de clube "super-disciplinado" entre nós, lá fora, leva montanhas de cartões, como diria a minha neta. Em 2017/18 na fase de grupos , em 6 jogos o Campeão teve 6 derrotas. No entanto foi campeão nas cartolinas : 14 amarelos, 2 vermelhos. Isto deveria fazer corar o Costa!
    SL

    João Balaia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro João,

      Colocada assim a questão, reconheço que desconsiderei o Bruno Fernandes, a quem peço desculpa. Tinha como simples objetivo afirmar que entre o melhor jogador do campeonato português e o pior árbitro português, é preferível ter o segundo a jogar pela nossa equipa se se quiser ganhar o campeonato.

      O que me impressiona é a falta de qualidade dos jogadores do Benfica e da qualidade do seu jogo e, por isso, do seu treinador (que até parece simpático). Os resultados nas competições europeias com equipas de segundo e terceiro nível evidenciam muito bem essa falta de qualidade.

      Voltando a uma nossa conversa antiga sobre Viseu, também fiquei um pouco emocionado por rever o Fontelo e o Académico de Viseu. Muitos jogos ali vi com o meu pai nos tempos gloriosos em que o Académico de Viseu andava pela primeira divisão.

      SL

      Eliminar
  5. "Era campeão, aliás, com qualquer plantel e treinador do campeonato."
    Concordo em absoluto com esta afirmação, comparando-a, aliás, com o que se passou com o porto nos seus "tempos áureos", em que acontecia precisamente a mesma coisa...

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      O Pinto da Costa até se gaba de ter escolhido um treinador por engano, trazendo o Carlos Alberto Silva em vez do Carlos Alberto Parreira. Como se vê, não é só o Varandas que não sabe escolher treinadores. As consequências da incompetência é que são diferentes.

      O que impressiona no Benfica é a falta de qualidade dos jogadores e do jogo da equipa. Se tivéssemos aquela defesa no Sporting seria o bom e o bonito. No meio campo, com o Gabriel e o Taarabat a dar pau o tempo todo, não acabávamos nenhum jogo com onze. Ainda teríamos saudades do Doumbia e do Petrovic.

      SL

      Eliminar