sexta-feira, 7 de fevereiro de 2020

Coisas que acontecem por dificuldades na sintaxe

Leio no Record a notícia com o título: “Beto expulso por bate-boca”. Este título não bate (e não, não é na boca) com o seu conteúdo. Houve um bate-boca entre Rui Casaca, do Sporting de Braga, e Beto Severo, do Sporting, durante o intervalo do jogo deste fim-de-semana, quando se deslocavam através do túnel de acesso aos balneários. Um bate-boca pressupõe duas bocas e duas bocas determinam dois sujeitos das ditas (bocas) e dois sujeitos no título da notícia. 

Rui Casaca terá interpelado Beto Severo, dizendo: “O que é que tu queres, c******? Vai-te f****!”. Beto Severo terá retorquido: “O que é que queres, pá? És um palhaço!”. O árbitro, Jorge Sousa, viu e ouviu tudo e expulsou os dois, tendo descrito a ocorrência no seu relatório. Beto Severo e Rui Casaca foram punidos com multas de, respetivamente, de 306€ e 261€. Ficámos a saber que um “c******” e um “f****” são 45€ moralmente menos ofensivos do que um “pá” e um “palhaço”. Sem mais, não se compreende esta hierarquia da ofensa; mas talvez não seja um problema de mais ou menos vernáculo e de mais ou menos ofensa, existindo outra explicação. Porventura, espera-se do Beto Severo o que não se espera do Rui Casaca, até pela ordem do diálogo e pela sintaxe de um e de outro. 

O que aparentemente se espera é que, interpelado nos exatos termos em que o foi, Beto Severo responda: “V.Exª pretende conversar com o meu aparelho genital o que não me parece apropriado, atentas as suas funções. Importa-se de me identificar um outro órgão mais adequado para esse efeito ou desejavelmente a mim próprio como sujeito do diálogo? V. Ex.ª também recorre a uma segunda frase constituída tão-somente por um verbo auxiliar reflexivo e um verbo principal que não remetem para ação realizável em si mesma, realizando-se com. Agradeço, assim, que me indique a quem devo dirigir-me para realização do ato sexual exigido.” Esta incapacidade de (re)estabelecer um diálogo conclusivo após uma interpelação intempestiva e com sérios problemas de sintaxe, merece seguramente uma punição adicional de mais 45€.

13 comentários:

  1. Fantástico.
    Deve ser o desconto por jogar em casa. É cliente habitual !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Esta história é toda ela fantástica!

      Desde o diálogo, muito esclarecedor quanto aos artistas. Às multas, equivalentes a estacionamento em segunda fila. Aos valores determinados ao euro. Há diferença entre uma e outra multa.

      SL

      Eliminar
  2. Vá lá... também não é preciso exagerar. O Beto levou uma multa maior porque (mal ou bem) já foi expulso mais vezes. JPT SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Esta história é toda tão absurda que mesmo que tenha razão ficamos a saber que uma reincidência vale 45€, admitindo que as ofensas não são graduadas em função de mais ou menos vernáculo.

      SL

      Eliminar
  3. Por acaso não vos dou razão e até a dou (a razão) ao conselho que multou:
    Casaca:
    - C*** é linguagem comum, até entre os elementos do dito conselho; por ser palavra imprópria, gritada, multa 60 €;
    - "Vai-te f***" revela intenção ofensiva, multa 200 €;
    -Acresce 1€ para a conta não ser redondinha.

    Beto:
    - Pela utilização de palavra grosseira ("pá"), multa de 5€;
    - Por ofensa grave, chamando "palhaço" (espanta pardais e outras aves), 300€;
    - Acresce 1€ para a conta não ser redondinha.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Genial, é isso mesmo!

      Como é que se determinam estes montantes, sem mais nem menos um euro? Deve ser através do E=mC2 do Einstein ou qualquer coisa do género.

      SL

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Obrigado Pedro.

      Esta história é extraordinária. Como se refere num comentário, a determinação dos montantes a pagar é uu mimo, nem mais nem menos um euro.

      Um abraço

      Eliminar
  5. fantastico! Um post para fazer rir no meio de tanta tristeza e depressão! Obrigado Rui!

    SL

    ResponderEliminar