domingo, 13 de Abril de 2014

Gil Vicente: uma equipa com princípios de jogo bem definidos

Às vezes os jogos são maus pelo mau estado de terreno. Outras vezes face ao mau estado da equipa adversária. Desta vez, foi o caso.

O Gil Vicente, como diria um Freitas Lobo qualquer, é uma equipa com princípios de jogo bem definidos. Só que os princípios não são compatíveis com o jeito dos seus jogadores para a bola. Uma equipa como a do Gil Vicente tem a responsabilidade de se conhecer. Devem jogar todos cá atrás e, quando têm a bola, mandam uma biqueirada para a frente, na expetativa que o grandalhão que colocaram a avançado possa num bambúrrio qualquer criar um lance de golo.

O Gil Vicente não é assim. Tenta sempre sair com a bola controlada, mesmo que bola atrapalhe os defesas. A jogada repetiu-se vezes sem conta. Um dos centrais passava a outro e esse, após uma corrida ou um mero franzir de sobrolho do Slimani, acabava por atrasar à queima para o guarda-redes que invariavelmente atirava a bola para fora. Perante este tiki-taka, qualquer adversário se aborrece e deixa de ligar ao jogo. Foi o que nos aconteceu. Nem o William Carvalho se conseguiu concentrar.

No início, o jogo parecia que não ia ser assim. Boa jogada entre ao Cédric e o Carrillo, balão para a molhada e o Slimani marca um golo à Jardel. Aquela bola completamente morta e ligeiramente atrasada só pode dar em golo por um predestinado da cabeçada. Depois disso, ficámos com a convicção que o Gil Vicente não ia sair de Alvalade sem a mala cheia. Mas, não. Não desarmaram. Começaram a aborrecer o adversário. O Sporting não ficou atrás e aborreceu-se a si mesmo e a todos que estavam a ver o jogo. Continuou a faltar o último passe e as jogadas de perigo iam-se perdendo por precipitações atrás de precipitações.

Imaginávamos que na segunda-parte iríamos entrar a matar para acabar com o jogo. Nada disso. O Gil Vicente não atava nem desatava e nós continuámos aborrecidos. Ainda esperámos que nos últimos minutos o Gil Vicente arriscasse qualquer coisa para tentar empatar o jogo pelo menos. Mas eles estavam agarrados que nem uma lapa ao resultado.

O Leonardo Jardim de repetente viu a luz. Deu duas palmadas no Montero e meteu o homem em campo. O homem não se fez rogado. Deu um nó em dois defesas e deixou o Jéfferson em grandes condições para, de uma vez por todas, fazer um último passe em condições. Mas o Jéfferson nada. Mesmo assim, o homem não desistiu. Grande passe a desmarcar o Carrillo e o Carrillo desta vez não entrou em crise existencial e fez um passe para o Heldon empurrar para o golo.

Bem, este jogo também está resolvido. Ainda não é esta semana que o Benfica é campeão. Dizem-me que vai jogar contra o Arouca. Também me dizem que o jogo é em Aveiro. Fico na dúvida se o jogo é contra o Beira-Mar ou contra o Arouca. Pode ser também que seja desta que fiquemos apurados definitivamente para a fase de grupos da Liga dos Campeões. Como se viu contra o Sevilha, o Porto está com vontade de ajudar.

quarta-feira, 9 de Abril de 2014

Partem-me o coração com tanta preocupação

Cheguei a casa tarde, como de costume, mas ainda a tempo de ouvir um qualquer arrazoado do Rui Santos. Falava dos grandes problemas que o Sporting irá enfrentar no próximo ano na Liga dos Campeões. A preocupação é muita e fiquei sensibilidade com ela.

 Mas, contrariamente ao Rui Santos, tenho que partilhar esta preocupação com outros clubes e não só com o meu. Nas duas últimas épocas, o Benfica foi sempre eliminado na Fase de Grupos, primeiro pelo Celtic, depois pelo Olympiacos. Como todos sabem, trata-se de dois colossos do futebol mundial. O Porto, esta época, fez cinco pontinhos, os mesmos que o Áustria de Viena, clube que deu novos mundos ao mundo do futebol.

Mas a euforia anda no ar. O Porto e o Benfica estão nos quartos-de-final da Liga Europa. Feito notável, sem dúvida. Mesmo assim, ainda um pouco aquém do obtido pelo Sá Pinto (repito, pelo Sá Pinto) há duas épocas. Aliás fomos eliminados no prolongamento da meia-final pelo Atlético de Bilbau. Nessa época ficámos em quarto lugar no campeonato (mas brilhámos na Europa e isso é que interessa).

Estou preocupado. Estou preocupado por tanta gente estar preocupada também. Tanta preocupação só se pode dever à preocupação por o Sporting estar em vias de se apurar para a Liga dos Campeões. Essa é que é a preocupação. Não vi ninguém preocupado no ano passado com a participação do Paços de Ferreira na Liga dos Campeões. Na altura, só se falou que foi merecido e que o Paços de Ferreira era um exemplo para o país e para o mundo.

segunda-feira, 7 de Abril de 2014

A quatro jornadas do fim

1. A quatro jornadas do fim, só o Sporting e o Benfica é que podem ser matematicamente campeões. A quatro jornadas do fim, o Sporting, no mínimo, está qualificado para a pré-eliminatória da Liga dos Campeões. Hoje, parece fácil. Hoje, parece pouco (e ainda bem). No início de época, qualquer sportinguista, se pudesse, compraria à cabeça este desempenho sem pensar duas vezes.

2. Desfizemo-nos do Elias. Desfizemo-nos do último jogador que fazia parte do saco de gatos em que se transformou o conjunto de contratações do Godinho Lopes, Carlos Freitas e Luís Duque. Saiu quem tinha que sair. Ficou quem tinha que ficar, isto é, quem quis ficar e fez por ficar. Entre Brumas, Iloris e Elias e quejandos ainda se fez uma pipa de massa.

3. No Expresso, o João Sousa, o melhor tenista português de sempre, afirmava que “os jogadores do top-10 têm uma genética diferente – fazem o mesmo [que os outros] mexendo-se muito menos”. Não encontro uma melhor para definição para o William Carvalho.

sábado, 5 de Abril de 2014

Nevoeiro, muito nevoeiro

Se não se tivesse dado o caso de estar a ver o jogo no Flávio, e não em casa, e seguramente teria adormecido. O jogo era para ser mau. Com o Paços de Ferreira é sempre assim. A certa altura, parecia que podia ser diferente. Só que preferimos vencer o adversário pelo tédio, confortáveis que estávamos com os dois a zero. Com a descida do nevoeiro, tudo se parecia encaminhar para um fim de tarde mais ou menos ensonado.

Íamos acordando em sobressalto. O Bebé resolveu dar mais um nó no Jéfferson, rematou cruzado e o Patrício deu um meio frango. O caldo parecia entornar-se. Até que um mal jeitoso do Paços de Ferreira perdeu a bola, entregou-a ao André Martins que fez o que costuma fazer. Foi para a área cheiro de dúvidas na cabeça e, de hesitação em hesitação, lá acabou por passar a bola ao Slimani que já estava parado. O Slimani, embora não sendo dado como um intelectual da bola como o Martins, fez o que lhe competia e o Adrien, que estava a jogar pouco, teve o seu momento de felicidade.

Sobra pouco para contar. Sobra o golo do William Carvalho. Tabela impecável com o Slimani, que se deu ao luxo de devolver a bola de calcanhar, aceleração com a bola e passe para a baliza. Sobra o Carrillo também. Tudo espremido, as arrancadas do Capel dão o mesmo resultado que as do Carrilo, que é nenhum. Mas o Capel parece fazer parte da equipa. Dá ideia que treina com os outros. Dá ideia que se encontra por vezes com o Jéfferson para beberem um mini e comerem um prato de caracóis. O Carrillo não. Parece que nunca viu os outros jogadores. Os outros desconhecem-no também. É um corpo estranho. Está na altura de se transformar numa promessa adiada de qualquer outra equipa.

À falta de outras notas, sobra uma também para o Leonardo Jardim. Quando começámos a tremer, sobretudo após o jogo contra o Benfica, agarrou a equipa pelos colarinhos, inventou o Carlos Mané a dez, meteu o Slimani a titular e, se não fosse o gamanço de Setúbal, tinha ganhado todos os jogos seguintes. Não tem nenhum extremo que se aproveite. Vai-os rodando para ver se algum acerta. O Capel, sendo a melhor opção para meter a bola na cabeça do Slimani, não consegue fazer um centro de jeito. Mesmo assim, ganhámos jogos atrás de jogos. É nestas alturas, com todas estas condicionantes, que se vêm os grandes treinadores.

quinta-feira, 3 de Abril de 2014

Basta(s)!

Não basta dizer basta. É preciso dizer todos os bastas necessários. Basta de anularem os golos do Montero! Queremos o Montero a Bola de Prata. O nosso colombiano é tão colombiano como o colombiano dos outros.

sábado, 29 de Março de 2014

O Bola de Prata dos golos mal anulados

O Rui Vitória é o Pacheco do Eça de Queiroz do futebol português. Nunca se viu uma equipa treinada por ele jogar qualquer coisa que se visse. Mas tem sempre boa imprensa. A táctica é sempre a mesma. Qualquer jogador, sempre que tem uma oportunidade de fazer falta, faz falta. De repente vimos o André Santos fazer mais faltas do que durante os anos que passou no Sporting.

Esta táctica funciona contra o Sporting porque cada jogador pode andar o tempo todo nisto sem levar amarelo. A táctica funciona pior agora porque o Sporting, com o Slimani, pode jogar comprido e, desta forma, evitar a barreira que lhe montam.

Este jogo foi fácil, mas tinha tudo para ser mais fácil ainda. A quantidade de lances de perigo que se perdem no último passe é qualquer coisa de inimaginável. Ainda para mais, o Slimani é alto e feio. Distingue-se bem. É preciso levantar a cabeça e colocar-lhe a bola. O Capel não conseguiu esse feito. O Heldon também não.

Sofremos um pouco ao fim, escusadamente. O Leornardo Jardim demorou a meter o Martins. Com ele em campo, voltámos a pressionar um pouco mais à frente. Mas, enfim tudo isto teria sido evitado se não nos tivessem anulado mais um golo limpo. Não sei se o Montero vai ser o melhor marcador do campeonato. Uma coisa sei: será seguramente o Bola de Prata dos golos mal anulados.

terça-feira, 25 de Março de 2014

"Não faças ondas!"



"Que Bruno Carvalho não arraste o futebol para a lama"

Jaime Pacheco

Este sabe daquilo que fala. Tem o “ensino primário” feito essencialmente numa "escola" especialista em terrenos lamacentos. Concluiu, sem sobressaltos, o “secundário” no "colégio" da Boavista, já numa vertente de ensino profissional, com um título completamente impoluto. “Limpinho, limpinho” como agora se diz. Esse título ficou só levemente manchado, muito levemente mesmo, pelo facto dos dirigentes do dito "colégio de virtudes" terem sido presos ou castigados, por esta ou por aquela razão, e o clube ter sido mais tarde despromovido. Portanto, um verdadeiro especialista em lama.

Diz ainda esse mestre da dialética que "isso é de quem chega ao futebol e não tem noção da realidade". Pelo contrário, é a noção da realidade que faz alguns quererem sair da lama onde alguns se dão, ou deram, tão bem. Lições de moral vindas de um «mamífero bunodonte, artiodáctilo, não ruminante» que tão bem se deu no lamaçal, não deixam de ser irónicas. Fazem até lembrar a velha anedota daquele que, enterrado até ao pescoço em merda, só queria que os outros não fizessem ondas.

sábado, 22 de Março de 2014

Sem espinhas

Foi mais fácil do que se previa. E só não foi mais fácil porque não matámos o jogo, como devíamos, mais cedo. Ainda demos oportunidade a que o Derley, um avançado façanhudo, fizesse gato-sapato do Maurício e nos causasse uns calafrios. Só se compreende que tenhamos atrasado o terceiro golo por deferência ao Jéfferson. O rapaz está a marcar menos golos do que no Estoril e é necessário melhorar-lhe a média.

Jogámos melhor que o Marítimo, sem termos jogado propriamente bem. Pressionámos, tivermos mais bola e controlámos o jogo. O meio campo esteve bem. O Adrien esteve ao seu nível e o William Carvalho também (só foi pena o amarelo escusado a acabar jogo). O miúdo Mané esteve muito bem. Para jogar a dez não pode é estar quase sempre a acelerar o jogo. Por vezes, é preciso segurar mais a bola e jogar para trás. Mas pressionou muito bem, ganhou um penalty e foi um verdadeiro sobressalto para a defesa e meio-campo adversário (há um lance que a SportTv fez o favor de não repetir que me pareceu falta para vermelho directo; se fosse amarelo também seria o segundo).

O ataque podia ter estado melhor. O Heldon parece que se está a desinibir. Fez uma ou outra arrancada excelente, com uma delas a dar um passe fatal para o Slimani. O Capel é que esteve mais Capel do que o costume. Só a partir de certa altura é que percebeu que também tinha de fechar o seu lado. Quando atacava decidia quase sempre mal. O Slimani é sempre o Slimani. Chateia, faz-se a todos os lances e é um perigo permanente. Marcou mais um só que, desta vez não contou. Pareceu-me um fora-de-jogo muito à queima. Agora, o Montero está a anos-luz do que demonstrou. Entrou com pouca convicção e com falta de confiança.

quarta-feira, 19 de Março de 2014

Finalmente poderá fazer-se justiça

Dizem por aí mal da justiça Portuguesa. Não sou um especialista, mas finalmente começo a ter a expectativa que a nossa justiça não vai assim tão mal.
Depois de termos tido o privilégio de ouvir os Presidentes dos nossos rivais a "escolher" árbitros pelo telefone. Depois de termos ouvido vários agentes da arbitragem a falar de "fruta". Depois de um árbitro assistente ter sido agredido no Estádio da Luz e um árbitro no Colombo (e um em campo, na Alemanha). Depois de se ter dito à viva voz que um árbitro assistente propositadamente validou um golo de um tal Maicon. Semanas depois do Presidente de um clube rival ter "vetado" publicamente um árbitro (Soares Dias) e de um árbitro se rejeitar a apitar um determinado clube (Jorge Sousa). Ficamos a perceber que sim, é possível um clube ser condenado por "pressionar" os árbitros. Já não era sem tempo.
Mas então em que moldes definir "pressão"?
Parece que em Portugal não se pressionam os árbitros com fruta ou com telefonemas ao Presidente do Conselho de Arbitragem. Também parece que não é ao murro e à cabeçada que essas almas se sentem pressionadas. De acordo com o que se diz hoje na imprensa, a pressão verdadeiramente insuportável e mais condenável, é aquela de um clube que apresenta uma tabela a enunciar erros de arbitragem nos seus jogos - a favor ou contra - e nos jogos dos seus rivais. Parece que divulgar factos sem ofender as pessoas é mais grave que o contrário. Mais, parece que uma entidade exercer o direito fundamental de recorrer aos tribunais quando se sente lesada por terceiros, isso sim é "pressão" da pior que existe.
Assim se conclui que o Sporting agiu mal. Não devia recorrer aos tribunais, devia antes arranjar fruta aos senhores árbitros. Não devia falar em conferências de imprensa, devia antes ligar às escondidas ao presidente do Conselho de Arbitragem a encomendar árbitros. Assim se mostra que a nossa "estrutura" está longe de estar ao nível da dos nossos rivais. Afinal Freitas Lobo sempre tem uma pontinha de razão quando fala da tal "estrutura" e de como ela ganha campeonatos. 

terça-feira, 18 de Março de 2014

Não queremos ser os primeiros dos últimos

Há muitas pessoas interessante que passam por aqui. Este blogue é escrito para elas. Elas sabem que não levávamos isto muito a sério. Gostamos de futebol, gostamos do Sporting, gostamos de chatear os outros. Pelo caminho evitamos pensar na sustentabilidade da dívida pública ou no défice estrutural da balança de transações correntes após a adesão ao euro.

Há gente que nos visita que é menos interessante. Nos últimos tempos então, fomos simplesmente invadidos por uma horda de benfiquistas. Não tem mal nenhum que os benfiquistas cá venham, antes pelo contrário. O que me espanta é a forma como, muitos deles, levam tudo isto a sério e se levam a sério também.

O Sporting é historicamente o clube mais prejudicado pelas arbitragens. É um facto. Há boas (e más) razões para isso. Este ano está a ultrapassar todos os limites. De repente, o Sporting é beneficiado - e nem todas as imagens o demonstram – num lance que, precedido de fora-de-jogo, dá origem a um golo. Depois disso tudo se equivale. Gamar uma penalty ou um golo tem a mesma gravidade que um fora-de-jogo como o do André Martins. Não tarda nada e vão considerar que somos beneficiados por um qualquer hipotético golo que decorra de um pontapé de baliza mal assinalado.

Preferia não ter ganhado ao Porto com um golo precedido de fora-de-jogo. Preferia ter ganhado contra o Rio Ave, a Académica, o Nacional e o Setúbal (e, já agora, com o Benfica para a Taça). É que prefiro que as coisas sejam como devem ser. É que, se não se importam, prefiro que joguemos para ser campeões e não para sermos os primeiros dos últimos.

domingo, 16 de Março de 2014

Nada está ganho a não ser o jogo

Declaração de interesses: o golo do Sporting não foi marcado em fora-de-jogo, mas foi precedido de fora-de-jogo. Os jogos são decididos em detalhes e os detalhes da arbitragem também contam. Mas, atenção, marcar um golo que é precedido de fora-de-jogo não é o mesmo que marcar um golo em fora-de-jogo.

O Slimani é brutal. É um género de Jardel, mas em mais mal jeitoso; se é que isso é possível. Bola na cabeça em boas condições é meio golo. Até exagera. A colocação da bola no golo é impressionante.

O Sporting ganhou pela incapacidade dos centrais do Porto darem dois toques seguidos na bola. Na segunda parte, houve momentos risíveis. Durante cerca de vinte minutos, o Porto praticamente não foi capaz de passar o meio campo. A pressão do Sporting foi boa mas a falta de jeito dos centrais ajudou muito mais.

Depois fomos mais equipa. O Cedric teve dificuldades na primeira parte. Corrigido o posicionamento na segunda parte, sempre com um jogador a cobrir a parte interior, foi lá à frente, deu dois nós no Quaresma e deixou a coisa mais empatada. Os centrais meteram os avançados no bolso. O Jackson Martínez foi mesmo metido no bolo pequenino das moedas do Rojo. Aliás, até se fica na dúvida se o Rojo não será mesmo bom jogador. O Jefferson não esteve tão bem como de costume, sobretudo a atacar e a centrar, mas o Capel também o atrapalhou um pouco.

O Willian esteve do Carvalho, como de costume. O Adrien enquanto durou esteve bem. O André Martins esteve bem a pressionar. Com a bola não esteve grande coisa. Mas centrou e muito bem para o golo (André estás perdoado!). O Capel esteve como de costume: cabeça no chão e centros para a molhada. O Mané esteve mais brinca na areia do que o costume. O Carrilo entrou bem. O Montero vive uma crise existencial. O Wilson Eduardo entrou para que fique claro que o Heldon passou de primeira para quinta opção.

Nada está ganho. O jogo, esse sim, já está. Vai ser com sangue suor e lágrimas até acabar. Pode ser que o Porto continue a ajudar. O Benfica, bem, o Benfica tem o Mota amanhã e isso diz muita coisa.

quinta-feira, 13 de Março de 2014

Ou isso ou a falta de uma


  «O Olegário [Benquerença] tem problemas de coluna»

E depois? E o Pedro Proença não tem? Afinal qual é o árbitro que não tem esse tipo de problemas? Ou isto é a confirmação de que afinal são mesmo invertebrados?

Num meio onde tanto se dobra a espinha, a verticalidade começa a ser rara. E não é preciso ser especialista em lesões músculo-esqueléticas para saber que o facto de andarem sempre de cócoras perante os “donos da bola”, acaba por provocar este tipo de maleitas. 

Aliás, esta é uma das poucas satisfações que podemos tirar desse facto.
1592 The Flatterers by Pieter Bruegel

quarta-feira, 12 de Março de 2014

Uma semana reveladora

Há pouco menos de uma semana a imprensa nacional reportava uma discussão fervorosa entre os clubes pelo "controlo" da Liga. Um qualquer adepto de futebol podia perguntar-se "Porquê?". É uma questão legítima. Se os orgãos são geridos por pessoas independentes, respeitáveis e imparciais, o que levará pessoas que conhecem tão bem o futebol como os presidentes dos maiores clubes a perder tempo nestas guerras?

A resposta chegou nos dias que se seguiram. Em Portugal não são os treinadores nem os jogadores que ganham campeonatos. É um facto. 

O Sporting estava isolado na frente do campeonato há menos de três meses, quando o Sr. Mota anulou o golo de Slimani em Alvalade. Desde aí muita coisa mudou. O Sporting viu serem-lhe anulados injustamente mais dois golos. Empatou dois jogos em que as equipas de arbitragem "não viram" claras grandes penalidades em seu favor a escassos minutos do final do jogo. Sofreu um golo em fora-de-jogo. Viu jogadores importantes serem punidos com amarelos injustificados, que os retiraram de jogos decisivos. E não, não marcou nenhum golo em fora de jogo.

Tudo isto explica muita coisa. Não explica tudo, mas ajuda a perceber o porquê de tanta guerra há apenas alguns dias para controlar um orgão que aparentemente não serve para nada. Mas que na prática serve para muito. Ou se calhar, para tudo 

segunda-feira, 10 de Março de 2014

Bater records

Não vale a pena fazer mais diagnóstico. Não vale a pena mais qualificativos para o árbitro de ontem e para a arbitragem em geral. Depois do jogo de ontem, resta-nos fazer uma pergunta: o que é que se pode fazer para se acabar com a bandalheira? Quanto a mim, nada.

Já tivemos melhores equipas e jogámos melhor futebol que os adversários e perdemos (assim de repente, lembro-me da equipa do Robson e do Queiroz e a do Peseiro). Já nos indignámos até às lágrimas (assim de repente, lembro-me do luto) e fomos roubados na mesma. Já protestámos todos os jogos que era possível protestar (assim de repente, lembro-me ainda da Taça de Liga ou das apitadelas do Capela e do Duarte Gomes) e continuámos a ser roubados.

Podíamos fazer o que o Porto fez e continua a fazer e o Benfica está a fazer melhor do que ninguém, no que respeita às diferentes formas de controlo do poder do futebol português. Não é fácil. Demora anos. E nenhum sportinguista que se preze quer ganhar assim. Por isso, resta-nos ir batendo os recordes mundiais de golos anulados e quejandos.

domingo, 9 de Março de 2014

Malucos

Passada a irritação, vamos analisar as coisas com frieza. O futebol em Portugal não é o mesmo que vemos noutros locais da Europa. Os jogos são absolutamente entediantes. Os jogadores passam o tempo todo a atirar-se para o chão e a queimar tempo. Os relvados são uma desgraça. A trapalhada a que se chama futebol em Portugal são onze contra onze, como nos outros países, envolve também uma bola e no fim os árbitros por ação e/ou omissão decidem quem ganha. Se não fosse a clubite que nos ataca a todos, ninguém no seu juízo perfeito se dava ao trabalho de ver tão triste espetáculo.

Existem umas pessoas, que se fazem passar por técnicos e comentadores, que a partir desta trapalhada tentam dar uma lógica a tudo isto. Nos tempos do Gabriel Alves ou do Alves dos Santos este esforço ainda tinha graça. Agora, temos uns cromos que visionam os lances e tentam tirar conclusões desta autêntica barafunda. Encontram sempre uma lógica para o resultado quando o que acontece só tem duas explicações possíveis: a aleatoriedade que as confusões sempre suscitam e a arbitragem. Não conseguem (ou não querem) compreender que a nota artística não conta. O que conta são os golos. E quanto aos golos os que contam são os que os árbitros querem que contem.

O jogo contra o Setúbal foi o exemplo acabado disto. O jogo foi sempre mal jogado. A bola andou sempre aos trambolhões num campo absolutamente miserável. Até que no meio desta confusão o Sporting marca um golo. Ninguém precisava de ver a repetição. O Adrien não estava fora-de-jogo. O mesmo bandeirinha que viu aquele fora-de-jogo foi o mesmo que momentos a seguir viu a bola lá dentro, qual olho de falcão. Nenhuma imagem permite esclarecer. Uma das imagens permite ver que o guarda-redes está dentro da baliza. Outra dá a ideia que a bola talvez possa estar lá dentro. Mostraram mais um série de imagens, de frente e de trás, que, pelo seu ângulo, só serviam para gerar confusão. Mas o que verdadeiramente é relevante não é isso. O que é relevante é que o bandeirinha que viu um fora-de-jogo que não existiu (por um metro, pelo menos), agora tinha decidido com um juízo de centímetros.

A trapalhada chegou ao intervalo. Reiniciou-se da mesma forma. O árbitro ia apitando de forma casuística, quase sempre em benefício do Setúbal. O golo do Setúbal é precedido de uma falta escandalosa sobre o Adrien à entrada da área que o árbitro fez o favor de não marcar. Vem o golo do Setúbal. Tenho as maiores reservas sobre a posição do avançado. Mas admito que possa não estar em fora-de-jogo. Dou de barato a regra de que na dúvida não se marca. Agora, o problema continua a não ser esse. Como é que um bandeirinha que vê um fora-de-jogo que não existe por um metro, pelo menos, está capacitado para analisar aquele lance?

Mas a trapalhada estava para continuar. Centro para a área e um defesa do Setúbal, em pânico, empurra deliberadamente o Slimani nas barbas do árbitro. O árbitro nada. Mais uma bola para dentro da área do Setúbal, o Capel vai buscá-la ao segundo poste, embrulhanço com um defesa e o árbitro marca penalty. Tenho as mais sérias reservas quanto ao lance. O que sei é que o árbitro marcou duas faltas daquelas contra o Sporting, com direito a amarelo e tudo. Mas o extraordinário não é isso. O extraordinário é que o árbitro que não viu o empurranço sobre o Slimani tenha visto aquele embrulhanço.

Mas as trapalhadas tinha que acabar à Monty Python. Um nabo qualquer que estava a jogar, de repente, atirou-se à parva para o chão, sem que nenhum jogador do Sporting estivesse por perto. O árbitro não sei o que viu, mas marcou penalty. Alguém, no seu juízo perfeito, considera, mesmo, que o árbitro viu qualquer falta?

Desisti e deixei de ver o jogo. Mas o que mais me impressionou neste jogo não foi o conjunto de trapalhadas. Foram os comentadores. Aqueles cromos foram comentando aquele jogo como se o que estavam a ver tivesse qualquer nexo ou explicação. Há malucos para tudo.


(Peço desculpa ao Trindade por ter praticamente sobreposto este post ao dele)

Crónica de um desfecho anunciado



A discussão do título parece ter acabado hoje. Parece. E acabou em beleza. Dois penaltis mal assinalados, um golo mal validado ao Vitória e outro mal invalidado ao freguês do costume. Mesmo dando de barato que a bola do golo do Sporting não tenha entrado (o que não me parece) só houve afinal um golo limpo e foi o que nos foi anulado. A discussão do título era de resto uma discussão muito desequilibrada. Os argumentos que contam tem muitas vezes pouco que ver com futebol jogado. Fosse isto ficção e não realidade, e esta seria a crónica de uma morte anunciada. Felizmente nada disto é assim tão grave. Não morreu ninguém, exceto a verdade desportiva, mas essa já está habituada a ir morrendo um pouco em todas as jornadas e em todas as épocas.
Alguns pascácios que se acham na crista da onda, habituados a falarem mal das arbitragens quando as coisas não lhes correm bem (portanto anos e anos de queixumes) querem agora que fiquemos calados e joguemos melhor. Podemos então depreender que se nos últimos 20 anos o SLB apenas ganhou três campeonatos (mais um do que o Sporting) durante esses anos o que deveria ter feito era ter jogado melhor e ter falado menos de arbitragens. Nessa ótica, nada de falar dos “corruptos do FCP” como tanto gostam de falar, bastava que jogassem melhor! Bazófias! Tal como os chapéus, corruptos há muitos e de diversas cores.
Vendo estes jogos, jornada a jornada, é difícil não falar de arbitragens e compreende-se por que não querem que o façamos. Agora é lutar pelo que sempre foi o objetivo... se os “outros” nos deixarem.