terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Coisas que nunca mudam

Ficámos na cabeça com a ideia que o “mundo é composto de mudança”. O Camões, como muito dos poetas, tem a capacidade de nos meter pela cabeça dentro aquilo que os olhos se negam a ver. No entanto, no futebol, como na vida em geral, há coisas que nunca mudam.

No futebol português, o Peseiro ou o efeito Peseiro, melhor dizendo, nunca muda. Este fim-de-semana tivemos mais um belo exemplo disso. O Peseiro pode chegar atrasado ao seu destino (inexorável), mas chega sempre.

domingo, 4 de dezembro de 2016

Esta semana vai ser limpinha, limpinha

Desta vez não levamos a sério o falhar muito e cada vez melhor. Ia eu a caminho do café e já recebia a mensagem que o Sporting tinha marcado. William e de cabeça. O resto da história é uma nota de rodapé devidamente lavrada pelo árbitro, não fosse dar-se o caso de um jogo sem casos. Quatro a zero não deixa de ser um grande resultado.

Entretanto, a meio da semana vamos à Polónia com ganas de enriquecer a liga Europa. Um trabalho para uma boa equipa de reservas dar conta. O Markovic já deve andar em pulgas e o Alan Ruiz, diz-se, já terá convidado o seu irmão para a viagem. No passeio europeu, as sonantes contratações deste ano, certamente, darão um ar da sua graça. Talvez seja esta uma boa altura para o Bryan Ruiz ter mais jogo nas pernas. Todos sabemos que as férias não lhe fazem bem.

Aguardamos, com a ansiedade do costume, as notícias importantíssimas que assinalarão novas e mais pujantes contratações leoninas. Sem esquecer as respectivas saídas de jogadores insatisfeitos. Aposto que o Gelson recusará um novo contrato. Cerca de trezentos clubes já terão solicitado as respectivas credenciais para acompanhar a semana que precede o dérbi, sem contar com as (hipotéticas) novidades referentes a viagens de Bruno de carvalho acompanhado de seres humanos do género feminino.

Convinha não levar demasiado a sério o proverbio desconfia do homem que não fala e do cão que não ladra. Toda a gente sabe que são mais as vozes que as nozes. E o silêncio, por vezes, é de oiro. 

sábado, 3 de dezembro de 2016

Estamos de volta!

Começámos a jogar como devemos fazer sempre contra equipas como a do Setúbal em casa, a procurar resolver cedo o jogo. Antes do um a zero, aos sete minutos, já tínhamos desperdiçado duas oportunidades. Para nosso azar, o William Carvalho também começa a marcar golos de cabeça. Só faltava mais esta. Assim é que não fica muito mais tempo.

Não ficámos satisfeitos e marcámos o segundo. O árbitro anulou-o. Já tínhamos sido gamados de algumas formas. Desta ainda não. Já fomos gamados ao contrário no jogo contra o Guimarães. A continuar assim, o Bas Dost não chega aos resultados do Slimani. O árbitro, não satisfeito, ainda nos anulou outro golo limpo, depois do taralhouco do guarda-redes do Setúbal se atrapalhar com a bola.

Não desarmámos. Continuámos a pressionar. O Gelson Martins ganha um livre, num lance para amarelo do defesa, que o árbitro não mostra. Parecia que o Sporting ia inventar mais uma jogada marada cheia de bloqueios e tabelas que, quase sempre, acaba em nada. Não se chegou a saber se estava estudada uma jogada destas. O Chuta-chuta não foi de modas e atirou-a directamente lá para dentro. O guarda-redes deu um ligeiro passo em frente e foi o suficiente para ver a bola passar-lhe por cima.

Na segunda parte o jogo parecia a feijões. O Setúbal queria mas não podia. O Sporting podia mas não queria. Foi de tal forma aborrecida essa fase do jogo que li toda a entrevista de uma secretária de estado qualquer ao Correio do Minho. Pelo caminho, anularam-nos um golo e o Patrício fez uma grande defesa. A equipa descansou o tempo todo. O Jorge Jesus ainda decidiu fazer descansar um pouco mais o Bruno César, o Adrien e o Gelson Martins.

O Jorge Jesus acertou na equipa titular. É a equipa do ano passado sem o Slimani e o João Mário, por razões conhecidas. Não é bem a mesma equipa. O Bryan Ruiz desta época não é o mesmo da época passada. As férias fizeram-lhe mal. Prefiro vê-lo jogar sem férias.

Enfim, o campeonato está de volta. Seja qual for o resultado na Luz, pior não ficamos do que estávamos antes de começar esta jornada. Pelo caminho ainda temos de ir encanar a perna à rã a Varsóvia, para fazermos de conta que esta coisa das competições europeias serve para mais alguma coisa do que para nos entreter a meio da semana.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Apontamentos do jogo contra o Arouca

Dificilmente se arranja uma competição menos interessante do que a Taça Lucílio Baptista. Seja como for, ganhámos contra o Arouca. Mais um jogo aborrecido destes contra o Varzim e a coisa está feita. O Presidente do Arouca não voltou a ter uma discussão com o Bruno de Carvalho sobre o existencialismo no futebol português. Por essa razão, o Bruno de Carvalho manteve uma atitude existencial, sem necessitar de lhe mandar uma baforada de Kierkegaard à cara.

Fica para a história o golo do Alan Ruiz. Fez tudo mal, até fazer tudo bem. Em vez de dominar a bola para afrente e isolar-se, decidiu voltar para trás, fintar o defesa ao ralenti e rematar ao canto. O Alan Ruiz veio para a modalidade errada. Para jogar assim, prefiro o Cavinato, o Fortino ou o Diogo.

O Castaignos é um caso perdido. Há dias, num jogo qualquer, atrapalhou-se a si próprio e passou a bola para trás do Bas Dost que estava isolado e pronto para a empurrar para a baliza. Dessa vez, podia haver a desculpa do relvado. No jogo para a Taça de Portugal, deixou de haver dúvidas. O esforço que fez para ficar em fora-de-jogo e invalidar o golo do Matheus Pereira reflecte uma completa incompreensão do jogo, dos movimentos dos colegas e adversários e das regras. Desta vez foi um pouco pior ainda. Em vez de acertar na bola, enfiou uma biqueirada no guarda-redes. Bem sei que o guarda-redes é um pouco para ao gordo, mas ainda existe uma diferença entre ele e a bola. Acabou por se lesionar. Não só prejudica a equipa onde joga como se prejudica a si próprio.

segunda-feira, 28 de novembro de 2016

A chatice como tática ou a tática da chatice

Vi o jogo de futsal entre o Sporting e o Dynamo. Empatámos, mas foi como se ganhássemos. O três a três final permitiu-nos o apuramento para a final-four da UEFA Futsal Cup.

O futsal do Sporting é um exemplo. Nada acontece por acaso. A época é planeada em função de objetivos bem definidos. As contratações são feitas a tempo e horas em função desses objetivos. As táticas são delineadas em função dos jogadores e das dificuldades que os adversários nos podem colocar. As jogadas, sobretudo as que resultam de lances de bola parada, são estudadas ao detalhe e executadas de acordo com o planeado. O improviso dos jogadores só entra quando está previsto entrar.

O time-out a três segundos do fim do jogo é um exemplo do carácter obsessivo do treinador. Quando todos festejavam, ele só pensava no que fazer durante aqueles três segundos. Pensou no que fazer e fez-se o que ele pensou. O resultado deste (excesso) de planeamento pode ser um jogo um tanto ou quanto chato. Mas todas as chatices fossem estas!


(O locutor da SportingTV é dos antigos. Tem tiradas que fazem lembrar os arroubos patrioteiros dos comentadores dos jogos de futebol da seleção e das competições europeia. Desqualificar o adversário só serve para desqualificar o nosso resultado. Não há mérito em ganhar sem adversário. Não há ninguém que lhe explique isto!)

sábado, 26 de novembro de 2016

Continuamos de pé!

Entrámos com a cabeça no jogo. Estamos fora da Liga dos Campeões. Estava tudo previsto para ficarmos fora da nossa liga também. Era um jogo de mata-mata. Demos tudo o que tínhamos, até começarmos a cair para o lado. Quando não caíamos por nós, alguém nos empurrava. Mesmo assim, não deixámos que nos levassem ao tapete. Na fase final do jogo, quando ficámos a jogar com dez, conseguimos queimar tempo em todas as circunstâncias e levar a bola para a frente e para as laterais. Fomos uma equipa na fase boa e, especialmente, na fase má.

O Sporting dominou durante oitenta minutos. Fez uma primeira parte absolutamente esmagadora. Por isto ou por aquilo não marcámos os golos que devíamos. Umas vezes por azar. Outras porque há cerimónia a mais quando toca a metê-la lá dentro. Que fique o exemplo do nosso golo. Se a bola for colocada no sítio certo e no momento certo o Bas Dost sabe como as empurrar. É preciso prestar mais atenção às suas movimentações. É preciso deixar de centrar de olhos fechados e ter mais cuidado e precisão no último passe.

O Boavista não fez um remate à nossa baliza para amostra. O Rui Patrício teve como única missão queimar tempo quando tudo e todos jogavam contra nós. E, mesmo assim, estivemos em perigo. Pelas duas razões do costume. Por não conseguirmos matar o jogo quando podíamos e devíamos. Por uma arbitragem que queria à viva força marcar-nos um golo. Criou as oportunidades. Foi o melhor avançado do Boavista. Não lhe peçam é que seja ponta-de-lança também.

Pede-se demasiado ao Adrien e ao William Carvalho. Hoje, o Bruno César ajudou, mas, aos setenta minutos, estava acabado. A defesa não deu hipóteses. O Bryan Ruiz está na fase que complica sempre até perder a bola. O Campbel esforça-se. Corre, corre muito. Nem sempre bem. O Bas Dost fez o que se lhe pedia: marcar as que apanhasse. Apanhou uma e marcou-a. O Gelson joga demasiado bem para os resultados. Não se lhe pede que passe a jogar mal. Pede-se-lhe que jogue ainda melhor. Que associe ao seu jogo mais golos e mais assistências.

quarta-feira, 23 de novembro de 2016

O que nos falta e o que temos de sobra

Mais uma vez uma boa exibição num jogo da Champions. Mais uma vez não chegou para pontuar contra o campeão em título, uma equipa em tudo superior à do Sporting mas contra a qual jogámos "olhos nos olhos".

Parece-me que existe aqui um padrão. Já sabíamos que nos tinha faltado sorte no sorteio. Já estamos habituados. Já sabíamos que seria difícil substituir Slimani. Neste jogos a falta de um 'matador' foi evidente. Aliás, acho que também nos começamos a habituar...

Também há coisas que temos de sobra. Em quatro jogos contra equipas de outro campeonato mostrámos que temos uma grande capacidade de nos superar e de jogar no limite. O que agora já sabemos é que normalmente pagamos a fatura no(s) jogo(s) seguinte(s). Esperemos que não seja o caso. Também já desconfiávamos que nos sobra inexperiência: a decidir alguns lances no ataque; a resistir a meter-nos em confusões das quais nunca tiramos benefício; e a gerir os últimos minutos dos jogos. Aqui esperemos que tenha servido para aprender qualquer coisa.

All in all, saímos da Champions de cabeça levantada. Felizmente, longe vão os tempos que apanhar um 'tubarão' implicava logo uma goleada das antigas. Fica a ideia que com um sorteio ligeiramente melhor nos podíamos ter apurado. Ainda que assim fosse, fico com a certeza que mais tarde ou mais cedo seríamos eliminados por um Real, um Borussia ou equivalente. É inevitável.

PS: Excelente ambiente em Alvalade. Foi seguramente um dos jogos que mais prazer me deu assistir ao vivo.

quinta-feira, 17 de novembro de 2016

Um país de malucos ou uma agenda mediática para nos enlouquecer?

O futebol português há muito tempo que está pronto para ser internado. Não se sabia se o problema era do futebol ou do país no seu conjunto, isto é, se o futebol era um tipo de loucura particular num país de loucos.

As imagens dos balneários do Estádio de Alvalade na sequência do jogo contra o Arouca reproduzem, numa versão bastante “soft” aliás, o que sempre se passou em todos os estádios de futebol, desde as camadas jovens, aos distritais, acabando na primeira divisão. A modernidade não chegou, nem nunca chegará, ao futebol português. A loucura do futebol português é hoje igual há do passado.

Mas a maior loucura não é essa. A maior loucura é ver passar essas imagens vezes sem conta ao longo de vários dias e em diferentes canais de televisão. Essas imagens são passadas com uma série de gente a comentá-las, como se houvesse alguma coisa a dizer sobre elas. Há especialistas em cuspidelas, baforadas e outras ciências do género. Se a agenda mediática do país reflete os gostos e interesses do portugueses, então somos um povo de doidos.

Para benefício da minha própria sanidade, prefiro não pensar assim. Não me parece que os portugueses estejam interessadas em ver passar aquelas imagens a todo o tempo, com análises aprofundadas relativamente a coisas que são simplesmente estúpidas. Só posso pensar que se trata de uma agenda mediática desligada do interesse geral. Não é bem uma agenda mediática. É mais uma campanha. É uma campanha contra o Sporting e contra o seu Presidente. E, como se tem visto, a sanha é muita.

segunda-feira, 14 de novembro de 2016

Fim de fim-de-semana

O fim de tarde, princípio de noite, de Domingo constitui o período mais deprimente da semana. Ainda não acabou o fim-de-semana, mas interiormente já acabou. Estamos no Domingo e a fazer um esforço para nele continuar, mas a cabeça está na Segunda-feira. Nada melhor, portanto, do que ver um jogo da seleção. Se mandasse, agendava os jogos da seleção sempre para esta altura.

O jogo contra a Letónia não me retirou da letargia que se tinha apoderado de mim. O Fernando Santos não facilita. O jogo é para ser entediante e tudo é planeado para que a sensação de tédio nunca nos abandone durante noventa minutos. Tudo é pensado ao pormenor. Só assim se percebe a inclusão do André Gomes. Com ele, é garantido que se joga a passo.

Na primeira parte, assistimos a uns nacos de futebol pastoso, com trocas de bola a todo o momento, passes para o lado e para trás e truques e malabarismos inconsequentes dos mais virtuosos. Muita posse de bola e muitas cócegas na defesa da Letónia. Aos trambolhões, marcámos o primeiro golo. Boa tabela entre o Nani e o Ronaldo, rasteira de um defesa trapalhão e penalty. O Ronaldo, que não parece estar com grande confiança, fechou os olhos e bateu com força e a bola entrou por milagre, furando o guarda-redes.

A segunda parte prometia mais do mesmo. Não começou por correr mal. O André Gomes caiu na área ao ralenti e o árbitro marcou novo penalty. O Ronaldo decidiu marcar melhor, mas, como a confiança não é muita, atirou a bola ao poste. Para quem conhece o futebol português, sabe que um lance destes é sinal de que tudo se prepara para correr mal. Pouco depois, no único lance de ataque durante o jogo todo, a Letónia faz o empate. A profecia parecia cumprir-se. Só que nestes contextos é que se percebe que com o Fernando Santos é diferente. Praticamente na jogada seguinte, o Quaresma tira um cruzamento daqueles que só ele é capaz e o William Carvalho mete-a lá dentro.

Sem o André Gomes e o João Mário a jogar a passo, com o Quaresma e o Gelson a acelerar e o Ronaldo a fazer os movimentos que sabe e gosta, partindo do lado esquerdo para finalizar na área, a seleção parecia endiabrada. A defesa da Letónia passou a viver em permanente sobressalto e as oportunidades sucediam-se. Marcámos mais dois golos, mas ficaram outros tantos por marcar. Assim acabou (bem) o fim-de-semana.

domingo, 6 de novembro de 2016

Nem a pedido se arranjava um jogo assim!...

Há uma equipa com o Adrien e outra sem ele. Hoje, contra o Arouca, jogou a equipa com o Adrien. Notou-se e bem. Notou-se na agressividade e na pressão sobre o adversário. Apesar de algumas invenções do árbitro, acabámos a primeira parte para aí com umas quinze faltas. Mais ou menos o triplo dos últimos jogos.

O jogo também confirmou uma das minhas teorias preferidas. Quando estás com dificuldades em criar lances de perigo, o melhor é atirar à bola para a molhada que às três tabelas ela ainda pode acabar por entrar. O Jorge Jesus andava esquecido desta teoria e, mais do que isso, da sua prática. Bem sei que não temos o Maxi Pereira, mas, como se viu, o João Pereira disfarça bastante bem. Bem, também não basta mandar a bola para a molhada. É preciso meter dentro da área meia dúzia de matulões. Estando reunidas estas condições, o Bas Dost sabe como as empurrar lá para dentro.

O jogo não deu para retirar grandes conclusões. Na primeira parte estivemos mais agressivos, mas o ataque tarda em funcionar. Praticamente não criámos oportunidades de golo. O Arouca também não, mas não estava no jogo para isso.

Na segunda parte estivemos melhor. Só que, entretanto, o Arouca ficou a jogar com dez. O estouvado do seu lateral direito fez questão de se expulsar. Depois do primeiro golo, qualquer um fica em pânico quando vê o João Pereira marcar um lançamento lateral. Fica mais descansado quando o vê cabecear isolado a poucos metros da baliza. Teria sido o nosso segundo golo. Não foi naquela jogada, mas não tardou pela demora. Excelente contra-ataque do Sporting, grande cavalgada do Bryan Ruiz e de mais uns tantos, o Adrien, isolado, domina a bola de peito e, em vez de rematar para o golo, atrapalha-se com ela e manda-a para a molhada, aparecendo o Campbell a metê-la lá dentro, meio com o ombro, meio com a cabeça.

Depois do segundo golo, o jogo deu para tudo. Deu para o Adrien falhar um penalty e o Bas Dost fazer mais um passe para a baliza, agora de cabeça, depois de uma assistência do Campbell ao melhor estilo do Karaté Kid. Deu sobretudo para jogar ao ritmo do Brasileirão e permitir, assim, a entrada do Elias de forma a ele não estranhar.

Como se disse, este jogo não foi o melhor para se analisarem as eventuais melhorias da equipa. Nem a pedido se arranjava um jogo assim para se melhorar o ânimo. Com o Adrien a equipa melhora. Com o Elias a equipa piora. Com o Bryan Ruiz, não sei o que diga. Na época passada, dizia-se que ele podia jogar melhor se tivesse férias. Há dois anos que as não tinha. Prefiro o Bryan Ruiz cansado e sem férias da época passada. O Campbell parece menos gordo e, pelos menos, já não tira a camisola depois de marcar um golo. A defesa não chegou a ser posta à prova. Até o Zeegelaar parecia um jogador da selecção da Holanda.

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Qual é a nossa estratégia?

Não vi jogo suficiente para me irritar com a dignidade que o Sporting merece. Esta equipa, ou muito me engano, ou ter-se-á tornado de uma previsibilidade sem espinhas, mesmo quando experimenta, ou quando diz introduzir novas nuances no jogo.  Toda a gente sabe como o Sporting joga ou vai jogar, só o Sporting é que não sabe isso. Só assim se explicam as sucessivas trocas de bola no meio campo leonino com o jogo a acabar e…a perdermos. E não foi apenas no jogo de ontem. As razões para tal talvez escondam a localização do pote de ouro na ponta do arco-íris.

Não se trata apenas do modelo, da estratégia, da motivação, há muito que este Sporting se entretém com a bola com a objectividade de um bloco de mármore: parece bonito mas é um pastelão maçador, lembrando a espaços o tika-taka entretido de Lopetegui (deus nos livre e guarde). Ontem, mais uma vez, desperdiçamos oportunidades, não muitas, mas suficientes (como, aliás, em Alvalade) para não perder o jogo. Todavia, fica sempre a sensação que o Dortmund tinha o jogo relativamente controlado, e que qualquer aceleração poderia surpreender o Sporting. Mais surpreendente é a nossa incapacidade frente a equipas como o Tondela, Nacional ou mesmo o Rio Ave, que esta semana levou três em casa do Vitória.

O ano passado a presença imponente de Slimani (e às vezes do Teo) dava ao jogo uma imprevisibilidade mortífera no último terço, imprevisibilidade essa, que, para além de qualquer sistema, deixava em sentido qualquer defesa, já para não falar do desgaste que erodia aos poucos a equipa adversária. Este ano, para além de Gelson, que continua a gingar mas fazendo-o de forma mais adulta, a equipa em geral parece um corpo estranho a pensar na morte da bezerra. No fim-de-semana temos a nossa final da liga dos campeões contra o Arouca. É o jogo de uma época, como aliás, serão todos daqui para a frente no campeonato. Até aqui andamos a adormecer os nossos adversários. Ninguém está a espera daquilo que virá. Faz tudo parte da nossa estratégia…a sério!

sexta-feira, 28 de outubro de 2016

O desafio de uma vida

Só vi a segunda parte do jogo contra o Nacional. Teremos jogado melhor na primeira. Falhámos um penalty (desde quando é que o William Carvalho passou a marcá-los?). Mas, quando vemos as estatísticas no final da primeira parte, tínhamos quatro remates à baliza contra três do adversário.

A segunda parte foi uma grande confusão. Com o relvado transformado num batatal, o jogo foi todo aos repelões. Os do Sporting ainda começaram por tentar jogar à bola. O William Carvalho insistia que tinha de ser assim. Só na cabeça dele é que isso era possível e na do Jorge Jesus. É que se o jogo se transforma numa confusão tem que se jogar de forma confusa, competentemente confusa. Não se percebe a razão para não ter entrado o Castaignos e se ter passado a jogar para a molhada (a entrada do Elias serviu exactamente para quê?).

Mas nem tudo foi mau. Os centrais estão cada vez melhores. Vivem em permanente sobressalto, devido ao desequilíbrio numérico do meio campo. Têm de jogar a laterais também. Têm de pegar na bola e ir por ali fora, fintando e tabelando até chegar com ela à frente. Com os centrais e mais meia dúzia de Brunos Césares a coisa ainda se compunha (isto se o árbitro marcasse os penalties que tem de marcar).

A partir de certa altura, com os jogadores do Nacional a queimar tempo, o jogo deixou de acontecer. No período de compensação, em vez de mandarmos umas bolas para a molhada, dedicámo-nos a correr com a ela e a passá-la, queimando tempo também.

Estamos a sete pontos do Benfica. Estamos onde o Jorge Jesus pensava estar por esta altura. Estes resultados e esta classificação só se explicam se se admitir que existe um plano. Um plano que transforme o Jorge Jesus num Rui Vitória ao quadrado. Na época passada, o Benfica precisou de recuperar sete pontos com a APAF para ser campeão. Esta época, vamos ser campeões, depois de recuperarmos sete pontos contra a APAF. É o desafio de uma vida!

domingo, 23 de outubro de 2016

Liga dos últimos

A coisa começou no jogo contra o Madrid. O Real Madrid, já se sabe, é uma prima-dona com estatuto gravado na passerelle do futebol mundial. Nunca mais saímos desse enclave (para nós imaginário) onde se simula um torneio entre equipas europeias. A vitória moral é uma doença com raízes profundas no futebol nacional e muito enraizada no imaginário sportinguista.

A partir daí começamos a somar vitórias morais entre derrotas (Rio Ave, Dortmund), e empates (Guimarães e Tondela). Em todos estes jogos existiram (supostamente) condicionantes e imprevisibilidades de toda a ordem e feitio, e a equipa estaria (supostamente) a crescer. As dores do crescimento sentimo-las nós bem. Quanto a responsabilidades não se fala. O melhor treinador do mundo continua a viver num mundo paralelo onde se rodeou de espelhos. Os melhores jogadores do mundo naquele tal jogo com o Madrid em que… perdemos, continuam a passear a sua ineficácia com a lentidão do costume.

Ontem parece que foi o antijogo, o azar, as pernas a dar horas da liga dos campeões, mais antijogo com o beneplácito do árbitro, supostamente enervando os adeptos. Enervando os adeptos, muito boa essa piada. Segundo o treinador foi tudo isso. O resto está bom: treinador e jogadores, coitados. O facto de a equipa pouco se mexer em campo, não existir fio de jogo nem oportunidades de golo, não interessa para nada. O facto de a defesa ser mais macia que aquela manteiga que eu me esqueci este verão na mesa da cozinha com 39 graus, não tem qualquer importância. Para andar nestas andanças, segundo o treinador, temos que aguentar.

Um périplo à performance dos jogadores deixa-nos esclarecidos. Os dois laterais (escolhidos pelo treinador) fizeram a pomba ao assinarem pelo Sporting. O Schelotto depois de renovar contrato já nem para demonstrações de velocidade furiosa serve. O Semedo, que nos tinha convencido ter um pacto com a distracção, afinal tem um pacto com a aselhice. Salva-se o Coates, enquanto não temos equipa de basquetebol para escoar. No meio campo o aranha Carvalho lá se vai aguentando nas canelas. Ao lado do Elias a coragem é um bem necessário. Verdade que o Elias não tem culpa. Culpa teve quem o foi buscar ao retiro espiritual onde ele estava. Aquele moço, o André, poderia muito bem ter vindo num pacote de três ou quatro para o Sacavenense. Dizem que é um falso lento, eu acho que é um falso rápido. O Bryan Ruiz está a dar as últimas mas ninguém lhe recomenda banco antes da extrema-unção. Deve estar com saudades do João Mário.

Já agora: por onde anda o pontapé do Alan Ruiz, as desmarcações do Castaignos, a segurança há muito procurada por Jesus na pessoa do Douglas? Como diria o Victor do Poste na Liga dos Últimos: “Não é só hoje. É sempre!



sábado, 22 de outubro de 2016

O jogo que vale uma época

Na época anterior, o jogo contra o Tondela valeu-nos a perda do campeonato. Devia ter servido de aviso. Este era o jogo da época. Não era o jogo contra o Dortmund. Vamo-nos entretendo a meio da semana com jogos que não interessam a ninguém. O Jorge Jesus tem de rodar a equipa na Liga dos Campeões. É nesses jogos, a brincar, que devem jogar os cromos que contratámos.

O jogo foi penoso desde o primeiro momento. Os jogadores do Sporting jogaram devagar e devagarinho. Jogaram ao ritmo do Brasileirão. Até por essa razão o Elias não tem desculpas. Não existe nenhum problema de adaptação. Não joga nada, mesmo a passo. Não ataca nem defende e tem o defeito irritante de falhar passes a dois-três metros dos colegas. É o nosso regresso ao passado em Brideshead.

Depois da primeira parte a passo de caracol, imaginei que alguma coisa mudasse na segunda. Ainda acreditei, quando entrou o Castaignos, que iríamos apostar na biqueirada para a frente e na disputa das bolas na área. Nada disso aconteceu. Só nos últimos minutos é que percebemos que, se não temos pernas nem jeito para levar a bola até à área em progressão, o melhor é bombeá-la directamente para lá. Criámos mais oportunidades assim nos últimos minutos do que durante o resto do jogo.

Quando o Bruno César é o nosso melhor defesa esquerdo, a melhor alternativa para substituir o Adrien e o que melhor pode jogar em apoio ao ponta-de-lança, está praticamente tudo dito sobre o desvario das aquisições e do planeamento da época. É que, entendamo-nos, o Bruno César nem sequer é propriamente um grande jogador. Foi o que se pode arranjar para dar algumas alternativas ao treinador a meio da época passada.

O cansaço acumula-se, a desconfiança instala-se, os adeptos desesperam. Vamos ver se o Jorge Jesus é capaz de travar este caminho para o abismo. Já vimos este filme várias vezes. Acreditamos que desta é diferente. Mas a história repete-se. Estamos mal? Estamos. Ainda poderemos ficar pior? Podemos. Quando é que se sabe se batemos no fundo? Não se sabe. Há sempre mais fundo para além do fundo.

quarta-feira, 19 de outubro de 2016

Deixem jogar o Castaignos!

Ontem, comecei o dia com notícias do jogo do Sporting contra o Dortmund. Com base nos resultados do passado, informaram-nos que o Sporting tem tantas probabilidades de ganhar a uma equipa alemã com as de um camelo passar pelo buraco de uma agulha. Também nos informaram que desta vez podia ser diferente, dadas as lesões dos jogadores do Dortmund. Pelas contas do jornalista, havia nove lesionados.

Quando começou o jogo, fiquei surpreendido com a constituição das equipas. O Dortmund aparecia com onze jogadores e o Sporting também. Se bem percebi o noticiário, para o Dortmund aparecer com onze jogadores o Sporting devia jogar com vinte.

Esta batota do Dortmund foi decisiva desde o início do jogo. No futebol, sendo onze de cada lado, no final ganham os alemães. Como de costume nesta coisa da Liga dos Campeões, o árbitro também estava mancomunado com a equipa mais forte, gamando-nos o penalty da ordem quando estava zero a zero (não viu o penalty, mas viu um falta do Bas Dost numa confusão qualquer, anulando-nos um golo). É difícil ganhar contra o destino. É ainda mais difícil ganhar com uma batota, quanto mais com duas.

O Jorge Jesus resolveu rodar jogadores num jogo decisivo para a Taça de Portugal e massacrar os supostos titulares neste torneio organizado pela UEFA. Os titulares também só são três: o Patrício, o William Carvalho e o Gelson Martins. Os outros estão todos à experiência. As experiências não estão a resultar grande coisa, com uma ou outra exceção.

O Bas Dost é o melhor avançado disponível. Em princípio, é para continuar. O Markovic, cada vez que tem a bola, desata a correr com ela como um perdido até se enfiar num buraco e perdê-la. Para jogar a segundo avançado, talvez seja melhor o André, o Bryan Ruiz, o Campbell ou o Bruno César. Ainda tenho esperanças que o Castaignos nos vai fazer esquecer o Teo. É caso para dizer: deixem jogar o Castaignos!

O Elias não nos está a desiludir. Sempre foi assim e sempre assim será. Quando sai para fazer pressão, demora eternidades a recuperar posição, ficando o William Carvalho contra o resto do mundo. Os laterais são um caso perdido. Os centrais vivem em dúvida permanente: têm de estar sempre com um olho nos avançados e o outro nos buracos que se vão abrir nas laterais.

Mesmo assim, não dei o tempo por perdido. Nunca tinha visto os alemães a queimar tempo na fase final do jogo como ontem. Os do Sporting, tenrinhos, deixaram-se ir na conversa. Só se anda aos empurrões e às cabeçadas aos adversários e em discussões com o árbitro quando se está a ganhar. Quando se está a perder, só serve para perder tempo e, assim, alinhar na estratégia do adversário (e do árbitro).

quinta-feira, 13 de outubro de 2016

As revelações tardam

Vi jogo com o Famalicão, para a Taça de Portugal, com a expetativa de assistir à revelação dos nossos craques contratados à última hora, após a transferência do Slimani e do João Mário. Comecei a vê-lo a meio da primeira parte. Estávamos a ganhar por um a zero.

Durante a primeira parte não fiquei com a certeza sobre quem eram os jogadores que estavam a jogar. Por exemplo, só ao intervalo é que fiquei a saber que o Markovic estava a jogar, quando me informaram que o golo tinha sido dele. Infelizmente não foi só o Markovic. O Alan Ruiz nem vê-lo também.

Não vi uns, mas vi outros, embora preferisse não ter visto. Preferia não ter visto o Petrovic ou o Jéfferson (este é um caso definitivamente perdido). Na segunda parte, avisado ao intervalo da constituição da equipa, passei a vê-los todos. Vi e não gostei muito. Não gostei do Markovic, do Alan Ruiz, do Jéfferson ou do Joel Campbell. Gostei assim-assim de outros. Achei o André esforçado, os centrais periclitantes e o João Pereira inconsequente. 

As coisas só não foram piores porque entrou o William Carvalho. Estou disponível para pagar bilhete só para o ver jogar. Com ele, até o Elias parece melhor. É uma autêntica máquina humana de otimização. É um algoritmo simplex com pernas. A bola, com ele, percorre sempre o caminho mais curto e mais adequados face às restrições de espaço e de tempo que os adversários colocam em campo. Estava extasiado e mais extasiado fiquei com a entrada do Gelson Martins. Gelson é o regresso ao jogo da bola. É a vertigem, ponteada pela disciplina tática que o Jorge Jesus lhe vai impondo, naturalmente.

A arbitragem foi lamentável. Valeu tudo. Há muito tempo que não assistia a uma sessão de pancadaria assim perante a complacência do árbitro. Tudo foi permitido aos jogadores do Famalicão: pontapés, calcadelas, cotoveladas e outros ataques aos jogadores do Sporting ao jeito do Taekwondo.

segunda-feira, 10 de outubro de 2016

Os Euros e os Pontos

No meio de tanta emoção a ver os jogos da seleção, dei comigo a fazer contas à vida. É um truque antigo para fugir ao sono. Já se discutiu bastante por aqui que o Sporting devia apostar no campeonato e não se devia distrair com a champions, mas parece que a mensagem não está a passar para quem tem de tomar as decisões de gestão de esforço do plantel. O resultado de Guimarães foi de tal forma incrível que me vou tentar socorrer de argumentos quantitativos, reconhecidamente pouco apropriados para o futebol, para tentar convencer quem de direito.

Importa começar por constatar o nosso objetivo: no campeonato ganham-se pontos, na champions ganham-se euros. O resto é conversa. Nós ganhámos 1,5 milhões de euros com a nossa vitória na champions até agora, um feito aparentemente notável face aos 500 mil dos nossos adversários diretos. No entanto, estes euros têm um custo: pontos no campeonato. Na ressaca da champions já perdemos 5 pontos, o Porto 2 e o Benfica zero. Se virmos numa perspetiva de "eficiência" estamos ligeiramente melhor que o Porto e bem pior que o Benfica: estamos a vender os nossos pontos a 300 mil euros cada um, ao passo que o Benfica conseguiu ganhar euros sem perder pontos.

Claro que os jogos são diferentes. São sempre. Mas mesmo assim espero que esta constatação de que estamos a vender pontos no campeonato ajude a perceber o essencial: é necessário descansar pelo menos um jogador de cada sector na champions. Depois se vierem uns euros tanto melhor. Os euros fazem sempre alguma falta. Os pontos não sabemos, por isso o melhor é não andar a desperdiça-los.

domingo, 2 de outubro de 2016

O que faz falta?

Ontem, depois do jogo contra o Guimarães, não tive tempo para escrever nada. Hoje, um pouco à pressa, escrevi quatro notas que aqui deixo. É preciso animar a malta.

[Falta plano B] 
O Sporting não consegue controlar os jogos quando não tem a bola. Não há plano B. A equipa joga sempre da mesma forma, sempre para a frente tentando pressionar de imediato quando perde a bola e com a defesa subida. Quando perde a capacidade de ter a bola ou de a recuperar imediatamente, não consegue encontrar um plano de jogo consistente e o jogo fica partido, com enormes crateras no campo. Não consegue condicionar os adversários de outra forma. Essa perda de capacidade de ter a bola é mais frequente esta época do que na anterior.

[Falta de pernas] 
Há falta de plano B, mas também há falta de força nas pernas nos últimos minutos. Com o modelo de jogo do Sporting e com os jogos da Liga dos Campeões, os centrais e os dois jogadores de meio-campo não têm sossego. Nos últimos minutos de jogo começa a faltar-lhes o ar. O William Carvalho no início do jogo e com a cabeça oxigenada não teria feito o penalty que fez. Mais uma vez, também há falta de Slimani, num jogo partido, a capacidade de segurar bolas na frente para permitir que a equipa suba e descanse é decisiva.

[Falta de alternativas] 
O Sporting podia continuar sempre com o plano A se tivesse alternativas. Foi feito um sem numero que contratações, que parecia dar mais alternativas ao treinador. Essas alternativas não aparecem e a equipa está a ficar espremida. Quantos jogos mais vai fazer o Bas Dost a titular durante noventa minutos a correr o tempo todo? Não se pode pedir a um jogador de quase dois metros que se mexa como os outros. Ganhou todas as bolas de cabeça que tinha de ganhar, colocando-as nos seus colegas, que infelizmente não lhe deram devida sequência em muitas situações. Não tem a mesma capacidade do Slimani para defender e segurar bolas na frente. Mas o Slimani é um fenómeno.

[Conclusão] 
Ou o Sporting arranja um plano B ou arranja alternativas aos principais jogadores ou, então, tem de abdicar da Liga dos Campeões, e quanto mais cedo melhor. O Sporting sofreu três golos contra o Rio Ave, dois contra o Estoril e três contra o Guimarães. Oito golos em três jogos para o campeonato. Não vale a pena andar a culpar os jogadores e a dizer que se desconcentram e por aí fora. Alguma coisa está mal que os transcende. Corremos o risco de fazer uma primeira parte de época como a do Marco de Silva.

quinta-feira, 29 de setembro de 2016

Desnorteando

Quando cheguei a casa, os diferentes canais da televisão estavam em alvoroço. Percebi que uma equipa qualquer tinha pedido quatro a dois. O Estoril perdeu quatro a dois mas tinha sido na sexta-feira passada. Não estava a perceber a razão de tanto alvoroço. Às tantas, um jornalista da SIC notícias afirmou que o Benfica tinha perdido o desnorte. Então é que perdi o norte: “quatro a dois”, “Benfica, “perder o desnorte”?

quarta-feira, 28 de setembro de 2016

A arte de bem jogar à carica

Desde que apareçam jogadores equipados à Sporting, qualquer jogo, em qualquer modalidade, desperta-me interesse. Contento-me com pouco. É-me indiferente se se joga à malha ou à carica (a minha filha apanhou-me um dia a ver um reportagem na Sporting TV sobre a nossa equipa de pesca desportiva; a partir desse dia a minha autoridade ficou pelas ruas da amargura). Também gosto de ver jogos em que uma qualquer equipa com camisolas vermelhas acabe derrotada.

No futebol, esta combinação pode-me ser servida em qualquer formato. Hoje foi para a Liga dos Campeões, mas se fosse para a Taça Lucílio Baptista o entusiasmo era o mesmo. Foi com este estado de espírito que vi, intermitentemente, o jogo do Sporting contra o Legia de Varsóvia.

Mal comecei a ver o jogo, o Jéfferson levou dois nós cegos a passo-de-caracol de um perneta qualquer da equipa polaca. Logo a seguir, o Bruno César ia fazendo autogolo. Temi o pior. O Bryan Ruiz, perante tantos disparates, pegou na bola e desatou a jogar como sabe. Os restantes jogadores acordaram e começaram a acompanhá-lo. De repente, a equipa estava em modo rolo-compressor. Os do Legia já não sabiam o que fazer para acabar com aquele inferno.

Vi o Gelson Martins fazer de Bryan Ruiz. Vi o Bryan Ruiz fazer de Slimani. Vi o Bas Dost fazer de Bas Dost (a sua economia de esforços nos remates transforma-os em passes para a baliza). Vi o Coates a tentar molhar a sopa outra vez (está-lhe a apanhar o jeito). Entretanto, o Slimani tinha feito de Slimani e o Casillas tinha feito de Cassillas. Ao intervalo, estávamos a ganhar em dois campos ao mesmo tempo. Nada mau, para um jogo à carica.

Na segunda parte, segundo o Jorge Jesus, gerimos o jogo. Aprecio a semântica. Diria de outra forma, borrifámo-nos para o jogo, metemos uns craques que contratámos à última hora e começámos a pensar no jogo contra o Guimarães. Parece-me uma atitude inteligente. Ganhámos o jogo, ganhámos as massas que a UEFA atribui para fazer de conta que estes jogos interessam pelo menos ao Menino Jesus e, espero eu, descansámos um ou outro jogador para o próximo jogo do campeonato (sobretudo o Bruno César, que, com esta exibição do Jéfferson e a lesão do Zeegelaar, vai ter de voltar a jogar a lateral esquerdo).

segunda-feira, 26 de setembro de 2016

O 4-6-2 de Jorge Jesus

Não quero substituir-me à análise do jogo já aqui feita, mas tendo em conta que eu só vi aí a primeira meia hora de jogo a minha perspectiva será porventura complementar.

Tive muito menos sorte que o Rui Monteiro. Os minutos que vi foram quase uma seca, um jogo de um só sentido, em que para passar o tempo se comparavam as vezes que o Estoril ultrapassava o meio campo com as decisões acertadas do Alan Ruiz.

A "culpa" foi do William e do Adrien. Os dois juntos devem valer por uns 4, o que põe o Sporting a jogar em 4-6-2, um sistema tático que baralha qualquer Freitas Lobo e deixa os adversários asfixiados na sua zona defensiva. Até o Fernando Santos, a custo, lá se converteu perante as vantagens deste sistema.

Posto isto importa com urgência encontrar os indivíduos que se fizeram passar por William e Adrien em Vila do Conde e... convoca-los para amanhã! Já se percebeu que o 4-6-2 é excelente mas não podemos abusar dele e portanto a minha proposta é que nos tentemos safar com o Legia em 4-4-2, guardando o melhor para o fim de semana. É que a história recente recomenda cautela, muita cautela, para Guimarães.

domingo, 25 de setembro de 2016

Regresso a casa

Depois de duas derrotas, o Sporting regressou a casa. Eu também. Regressei este fim-de-semana a Viseu, cidade onde nasci e vivi até ir para universidade, em Lisboa. Nunca regressei. Só uma ou outra vez para matar saudades.

Tudo parece mudado. Um amigo meu, do Porto, foi trabalhar para o município e tem dado a conhecer a cidade ao país. Há um outro dinamismo. A cidade parece mais cosmopolita. Popularizou-se a cultura. Não parecem existir tantos guetos sociais, económicos e culturais. Mas isto sou eu a pensar depois de regressar. Enquanto por lá estive, tropecei no passado o tempo todo. Os amigos que não via há muito, as conversas que tínhamos interrompido, os locais que nunca mudam na minha cabeça povoada de demasiadas memórias.

Ainda cheguei a Viseu a tempo de ver os últimos quinze minutos de jogo. Vi o Bryan Ruiz falhar um golo de baliza aberta, o Elias a fazer um passe para o adversário para sua surpresa e o William Carvalho a fazer uma abertura notável para o lado esquerdo que deu o nosso quarto golo. Acabámos o jogo como se estivéssemos a fazer uma peladinha com os amigos. Nada de novo, portanto.

O Mundo é feito de mudança, parafraseando Camões. Tudo parece mudar a todo o tempo. Mas há coisas que, aos nossos olhos, nunca mudam, como Viseu, os amigos ou o Sporting. E ainda bem.

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Não basta acertar no diagnóstico

O Jorge Jesus fez o diagnóstico há muito da equipa e compreendeu os problemas que tem entre mãos. Há muito tempo que tinha percebido que, no mínimo, iria ficar sem o Slimani. Há muito que também sabia que não podia contar com o Teo.

Como se lembram, na pré-epoca quase nunca colocava o Slimani a jogar. Quanto muito, jogava na fase final das partidas. Experimentou várias opções para o emparelhamento na frente, que é fundamental para o 4x4x2 que procura sempre implementar. Os resultados foram sempre desastrosos. Fartámo-nos de sofrer golos exactamente iguais aos que sofremos contra o Rio Ave. Sem pressão dos avançados, assistimos a correrias dos jogadores adversários pelo campo fora até chegarem à área e aos desamparados defesas.

Quando os jogos passaram a ser a sério, a equipa só se equilibrou com o Bruno César a jogar no meio. Estamos lembrados do jogo contra o Porto. Começámos com o Bryan Ruiz no meio e o Bruno César no lado esquerdo e só equilibramos o jogo e lográmos a reviravolta quando trocaram de posição. Contra o Real Madrid o Jorge Jesus não repetiu o erro. O Bruno César estava na frente, pressionava os avançados e recuava para fazer de terceiro médio quando era necessário. Como estamos, precisamos do Bruno César no meio e na lateral esquerda. Não se pode pedir ao homem que esteja em dois lugares ao mesmo tempo.

Esta situação ainda mais se agravou pelo facto de o Gelson Martins ser mais extremo do que o João Mário. O João Mário passava a maior parte do tempo, sobretudo quando atacávamos, a jogar como terceiro médio. Estava sempre mais próximo dos outros jogadores do meio-campo e do ataque, sobretudo quando se perdia a bola. O Gelson Martins está a mudar, mas ainda não resolve esta questão do terceiro médio.

Com a substituição do Bryan Ruiz na esquerda pelo Campbell a situação ainda se agrava mais. O Gelson Martins está a aprender. O Campbell não sei se vai aprender, mas, de momento, não faz a mínima ideia do que deve fazer. Se fizesse o mesmo do Bryan Ruiz a ocupação do meio campo seria mais racional. Por outras palavras, fazia mais vezes de médio.

Mantendo o 4x4x2 e os actuais jogadores do último jogo, temos dois avançados que não pressionam os defesas nem recuam quando a bola passa a primeira linha ou para apoiar a saída para o ataque. Temos dois extremos, cada um em seu canto, à espera que a bola lá chegue. No caso do Campbell a incompreensão do que deve fazer é tão grande que mais não faz do que atrapalhar o lateral esquerdo quando avança no terreno. De repente, transformam-se em terra de ninguém uns quantos metros quadrados do campo, para serem explorados pelos adversários em ataques rápidos ou contra-ataques.

O Jorge Jesus, na conferência de imprensa, depois do jogo contra o Rio Ave, voltou a fazer muito bem o diagnóstico. As substituições, embora tardias, também revelaram que os problemas da equipa foram bem identificados. A forma como montou a equipa contra o Real Madrid ou como a mudou no jogo contra o Porto é reveladora do conhecimento destas fragilidades. O problema não está no diagnóstico, o problema está nas soluções. Não basta dispor do diagnóstico certo, é necessário dispor das respectivas soluções. Quanto a isso, só os próximos jogos o dirão.

domingo, 18 de setembro de 2016

E ao terceiro não ressuscitou…

Aconteceu o que temia. Na primeira parte, o Rio Ave ganhou as bolas que podia e não podia ganhar. Há duas explicações. Uma é a do desgaste físico da Liga dos Campeões. A outra é mais preocupante, por ser estrutural. Para se jogar com a defesa tão avançada é necessário maior pressão à frente na saída de bola do adversário. De outra forma, o meio-campo está sempre em desvantagem numérica e a defesa apanha com uns ciclistas embalados pela frente. O William Carvalho e o Adrien não conseguem disfarçar tudo o tempo todo.

Na frente ninguém tem condições para fazer de Slimani. O André parece bom rapaz. Mas depois de se isolar e rematar com os olhos fechados para onde estava virado, fiquei mais ou menos esclarecido. Não via nada disto desde os tempos do Postiga. O Alan Ruiz só joga com a bola nos pés e, mesmo assim, devagar e devagarinho. O Campbell é mais rápido, mas inconsequente, não percebendo também que quando não tem a bola precisa de pressionar a defesa e apoiar o seu lateral. A melhor solução para o ataque ainda parece ser o Bruno César. Só que o rapaz não pode jogar à frente e a lateral esquerdo ao mesmo tempo.

O primeiro golo é ridículo e sintomático dos problemas da equipa. Uma autêntica anedota como Roderick domina a bola de peito e vem por ali fora sem ninguém lhe sair ao caminho. Com o Slimani, não se atreveria a nada disso. O Adrien, sem Liga dos Campeões, também tinha matado a jogada. Acabou tudo num golo marcado em câmara lenta. Levar um golo do Rio Ave não nos deixa bem-dispostos. Levar um golo deles depois de uma jogada do Roderick, apetece-nos vir para casa e dar um arraial de pancada na mulher, nos filhos e no gato.

Em vez de reagirmos e cairmos em cima deles, continuámos ao mesmo ritmo. O que falta de força sobra em displicência. Os nossos jogadores ainda deviam estar a pensar que estavam a jogar com o Real Madrid. Levámos mais dois golos em que havia todo o espaço do mundo para os jogadores do Rio Ave jogarem. Não me parece que atirar as culpas para a defesa seja o melhor diagnóstico.

Na segunda parte melhorámos. Era impossível piorar. O Bas Dost não é o Slimani, mas sabe ocupar os espaços onde os devem andar os pontas-de-lança. O Bryan Ruiz, ao pé do Alan Ruiz, parece o Usain Bolt. O Markovic deu um ar da sua graça. Pode ser que esteja ali uma parte da solução para os nossos problemas. Mas quem continuou a fazer a diferença foi o Gelson Martins, com mais uma assistência.

Ou alguns dos cromos que contratámos se revelam ou então é preciso mudar de táctica e não deixar a defesa tão exposta, porventura não jogando com ela tão avançada. Pelo sim, pelo não, acabava com a brincadeira da Liga dos Campeões, aproveitando-a para rodar os Elias, os Ruízes e os Campbelles desta vida, reunia os jogadores do ano passado e tentava fazer com eles uma equipa, com uma ou outra das aquisições. Ou muito me engano, ou estamos como no ano passado. Não existem grandes alternativas aos titulares e a equipa rapidamente vai ficar espremida.

Jesus é Deus? É, embora nunca tenha percebido bem o mistério da Santíssima Trindade. O Jorge Jesus é Deus? Era se a equipa tivesse ressuscitado ao terceiro golo. Não ressuscitou e por isso não é. Resta-lhe descer à terra e encontrar soluções. Se se mantivesse calado durante uns tempos, também agradecíamos.

quinta-feira, 15 de setembro de 2016

Real Madrid – Sporting por sms

Uma reunião que se iniciou com grande atraso e se arrastou mais tempo do que o planeado, impediu-me de ver o jogo contra o Real Madrid. Fui sendo informado por sms pelo meu amigo Júlio Pereira dos desenvolvimentos do jogo. Como verão, não vi o jogo mas foi como se o tivesse visto.

19:17 – Lançamento do Jogo 
Embora a competição doentia entre o Messi e o Ronaldo me esteja a preocupar, dado que ontem o Messi marcou três golos a uma equipa equipada de verde e branco, se a Selecção Nacional, sem o Ronaldo e com o Fernando Santos, venceu a França na final do Campeonato Europeu com um golo do Éder, então tudo (e mais além) é possível. (Confesso, encomendei esta mensagem de automotivação à Susana Torres).

20:44 – Balanço da primeira parte
Xiu! Nada de acordar os rapazes do Real Madrid. Ó Gelson, deixa lá isso que eles ainda se zangam… e o Ronaldo decide brincar ao Talisca. Na segunda parte, toca a rodar a equipa, que o jogo a sério é Domingo em Vila do Conde.

20:53 – Golo do Sporting
Ora bolas! Demasiado cedo.

20:59 – Campo a inclinar 
Os jogadores do Real Madrid ainda estão a dormir, mas o árbitro já acordou…

21:27 – Comentário em forma de desejo
“Na perspectiva do Real Madrid, seria importante …” diz o comentador da SportTV desesperado.

21:52 – Balanço do jogo 
Bom treino rapazes. Stop. Tivemos de sair cinco minutos mais cedo do jogo. Stop. Ainda perdíamos o avião da Ryanair de regresso a casa. Over & out.

sábado, 10 de setembro de 2016

Mais uma corrida, mais uma viagem

Mais um jogo, mais uma vitória. Três golos marcados e nenhum sofrido. Mais uma corrida, mais uma viagem. Vamos em quatro vitórias em quatro jogos. Parafraseando o Jorge Jesus, mas agora a sério: limpinho!

Começámos com muita bola e a fazer cócegas à defesa do Moreirense. Falta ali um Slimani qualquer. O Bas Dost não pressiona tanto e não é tão feio. No mínimo, mandava-lhe rapar o cabelo e fazer duas ou três tatuagens. Tem uns tiques à Aquilani que me encanitam os nervos. Apesar de tudo, sabe marcar golos sentado, habilidade nunca revelada pelo Slimani, que nunca gostou de jogar de cadeirinha.

Estávamos num chove-não-molha, quando o William Carvalho pelo canto do olho viu a desmarcação do Gelson Martins e fez uma assistência para um espaço que só existia na cabeça dele. O Gelson, com dois toques - um para dominar a bola e outro para encostar para a baliza-, fez o primeiro golo. O Moreirense ameaçou o empate com um remate perigoso na sequência de um livre. A seguir suicidou-se com a expulsão de um jogador.

Entrámos na segunda parte finalmente a jogar como deve ser. Na reposição de bola, um central trapalhão passou a bola ao Bas Dost que por pouco não marcou. Boa defesa do guarda-redes. Logo a seguir, remate do Adrien à entrada da área com o pé esquerdo e nova boa defesa do guarda-redes. Começava-se a temer um daqueles jogos em que se desperdiçam golos atrás de golos até acabarmos com o credo na boca.

De um momento para o outro, marcámos mais dois golos e acabámos com o jogo. No primeiro, o Alan Ruiz, com tempo e espaço, fez um passe perfeito para a cabeçada imparável do Joel Campbell. O segundo foi a melhor jogada do desafio. O Gelson Martins desmarcou o Scheolotto do lado direito para um centro imediato ao primeiro poste, respeitando a desmarcação do Bas Dost, que acabou por não acertar na bola. Gera-se uma confusão entre ele e um defesa, a bola parece que não quer ser aliviada e o Bas Dost, sentado, meteu-a lá dentro outra vez. Apesar da posição não ser a mais conveniente para um avançado marcar um golo, sublinha-se o “soupless” do Bas Dost a fazer o remate. Desta forma, o defesa e o guarda-redes saíram dignificados, apesar do ridículo da situação

A partir do três a zero. O Jorge Jesus resolveu dar ritmo de jogo a algumas das mais recentes contratações. Não há dúvidas que estão com falta dele. Mas podia ter aproveitado os jogos da Liga dos Campeões para isso. O Markovic parece vir de um longo período de convalescença. Entrou-se na fase de deslumbramento, com os jogadores preocupados com a nota artística. Foram toques de calcanhar a mais. Não foi para isto que foram contratados. A equipa de futsal é campeã e reforçou-se devidamente.

Os últimos trinta minutos foram irritantes. O Moreirense foi avançando. Porventura, a ideia talvez fosse aproveitar este adiantamento para umas transições ofensivas, como hoje se diz (dantes dizia-se contra-ataques). Nada disso aconteceu. O Moreirense esteve perto de marcar. Não marcou porque o Monstro das Balizas assustou os seus jogadores.

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Entre o Labirinto da Saudade e o General no seu Labirinto

Li umas frases soltas de uma entrevista qualquer do Luís Filipe Vieira (LFV). Num determinado momento, LFV afirma que quem se quis ir embora foi o Jorge Jesus. Logo a seguir, LFV afirma também que o Jorge Jesus não servia os interesses do Benfica.

Estas afirmações são profundamente contraditória. Se o Jorge Jesus não servia os interesses do Benfica e a sua Direcção lhe pretendia renovar o contrato, então a Direcção, ao agir desta forma, é que não servia os interesses do Benfica. Se o Jorge Jesus não servia os interesses do Benfica e não aceitou renovar contrato, apesar da intenção contrária da Direcção, então, ao decidir desta forma, servia os interesses do Benfica.

Não sou dado a grandes interpretações psicanalíticas, mas esta contradição parece um acto falhado. São seis anos de contradições. É muito tempo em futebol, uma eternidade. Talvez tenha sido a saudade a falar por portas travessas. Talvez seja a saudade no seu labirinto. Talvez seja o general no seu labirinto.