segunda-feira, 17 de fevereiro de 2020

Percebido?

Há treinadores com boas ideias. Há treinadores com más ideias. Há treinadores com ideias assim-assim. Há treinadores com as mais variadas proporções de ideias boas, más e assim-assim. Há ainda treinadores que não têm ideia nenhuma. Há uma enorme variedade de treinadores, para todos os gostos e feitios, e há o Silas, que não faz a mínima ideia. 

As (supostas) táticas vão variando em função de um objetivo que está sempre presente: sair a jogar pela zona central, embora sem se ter grande consciência do que fazer à bola em seguida. Este objetivo, esta obsessão, melhor dizendo, parece treinada sem consideração pelos adversários e a sua reação. Nos treinos pode-se recorrer aos pinos, mas, nos jogos, os pinos mexem-se, reagem, jogam também. A saída para o ataque começa invariavelmente num central que devagar, devagarinho passa a bola a outro, enquanto a pressão dos adversários sobre o jogador com bola e as supostas linhas de passe aumentam. Os laterais vão subindo e ao mesmo tempo, conforme a pressão aumenta, os médios baixam em apoio, trazendo consigo os médios adversários que procedem à respetiva marcação. O número de jogadores de uma e outra equipa no primeiro terço do terreno vai aumentando e, consequentemente, o espaço de circulação da bola com segurança vai diminuindo. Enquanto se vão atulhando jogadores na grande área e na sua proximidade, os avançados vão ficando mais distantes. O risco de perda de bola e de o adversário ficar numa situação privilegiada para marcar aumentam, aumentando a ansiedade dos jogadores até chegarem ao ponto de se quererem ver livres da bola e com poucas probabilidades de a colocarem nos avançados.

Jogo após jogo, com três centrais, com dois centrais e um médio a recuar para terceiro central, com dois centrais e um trinco, com dois centrais e um duplo pivô, a história repete-se. É provável que o Silas tenha visto jogos das equipa treinadas pelo Guardiola e gostasse que as suas jogassem da mesma forma. Mas não é Guardiola quem quer; e também não se pode ter uma equipa a jogar como as do Guardiola com os atuais jogadores do Sporting. Com eles, com o Borja, o Doumbia, o Ristovski, o Bolasie, por exemplo, mesmo o Guardiola não seria o Guardiola e a equipa não jogaria como jogam as equipas do Guardiola. Talvez não fosse má ideia começar a tentar sair a jogar de forma mais simples, pelas laterais, fazendo o que fazem todas as equipas, atraindo os adversários a um dos lados para com troca de bola rápida sair pelo lado contrário. No limite, no limite, sempre se pode sair com pontapés para a frente do guarda-redes, dando alguma utilidade ao Bolasie, por exemplo. Tudo é preferível ao mesmo (mau) filme visto e revisto todas as semanas. 

Contra o Rio Ave aconteceu tudo isto com a diferença em relação a outros adversários de os seus jogadores saberem trocar a bola entre si, não a perdendo por qualquer razão ou razão nenhuma como os do Sporting. Sem o Acuña, o Mathieu e o Vietto, porventura o Sporting terá jogado com uma das piores equipas das últimas décadas. Tentei encontrar uma equipa que se equiparasse. Procurei, procurei e não encontrei propriamente uma, embora tenha encontrado referências nos anos oitenta a algumas com o Vital a guarda-redes, o Duílio a central, o Valtinho a médio, o Lima a extremo ou o Peter Houtman a ponta-de-lança. Aconteceu também o costume: a expulsão de um jogador do Sporting, neste caso do Coates. Depois das duas faltas que vi e de no jornal “A Bola” ter lido o habitual comentador de arbitragem e ex-árbitro explicar que “Rúben Dias reagiu com frustração excessiva, correndo o risco de ver cartão vermelho direto”, num lance em que agride à descarada um adversário, porventura os dois amarelos ao Coates devem-se a um nível de frustração bastante insuficiente. 

Este jogo contra o Rio Ave não tem muito mais que se lhe diga e, para concluir, volto ao princípio e ao Silas e sua singularidade, recorrendo ao livro “O Que Fazer dos Estúpidos?”, de Maxime Rovere, filósofo e professor na Universidade do Rio de Janeiro, que li este fim-de-semana, para devido enquadramento da análise. Não fazer ideia é não dispor de consciência de si, confundindo a representação de si consigo mesmo. É pior do que não existir, é a ausência de consciência da sua não existência, é um jogo de espelhos em que o ser se toma pela sua projeção, pela sua imagem, como se fossem o mesmo ou uma só coisa. Nos outros, as ideias precedem o ser, o ser treinador. No Silas, as (supostas) ideias antecedem o ser, mas, sem ser, as ideias também não o podem ser, porque pressupõem a prévia existência do ser para serem (ideias) dele. Em síntese, o Silas precisava de ser treinador para que avaliássemos as suas ideias enquanto tal. 

Esta inconsciência de si mesmo não o afeta exclusivamente. Afeta-nos a todos que confundimos também a sua projeção com a sua (não) existência enquanto treinador. Esse erro de perspetiva, o de se confundir o sujeito com a sua imagem, leva-nos ao exercício de procurar explicar-lhe como deve fazer, como o que aqui desenvolvi. É energia perdida, pois uma imagem não muda, de nada valendo os sermões. É uma estupidez (o ato), não devendo ser confundido neste caso com um estúpido (o sujeito). Percebido? Se não, então está como eu relativamente ao Silas, o que não faz de mim mais inteligente do que ele.

7 comentários:

  1. Caro Rui,

    o enredo poderia ter o nome de "Crónica do Rei pasmado", com a minha vénia ao Ballester. Realmente, descobrir que nos campos deste país os pinos movem-se é algo capaz de deixar pasmado qualquer "Rei". Duvido é que assim o "casamento" alguma vez venha a ser consumado.

    ResponderEliminar
  2. Um abraço, Rui. (Queira desculpar a omissão inicial.)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Pedro,

      Há muito que não me lembrava deste livro do Ballester. Há alguns anos, li todos os que estavam publicados pela Caminho. Porventura, esse foi o que mais me divertiu.

      Ver uma mulher nua é, para o Silas, ver os pinos mexerem-se e as jogadas não decorrerem como o esquematizado nos "powerpoints" do curso de treinador.

      Um abraço

      Eliminar
    2. Gosto muito. Ri-me também com o "Filomeno, para meu pesar", história passada na Galiza. E li o Don Juan.

      Um abraço

      Eliminar
  3. SPORTING 2011-2012:
    Marcelo Boeck
    Onyewu
    Tiago Ilori
    Evaldo
    André Santo
    Bruno Pereirinha
    André Martins
    Stijn Schaars
    André Carrillo
    Valeri Bojinov
    Diego Rubio
    Que maravilha era a equipa...entre essa e a atual venha o diabo e escolha, não é preciso ir aos anos 80!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro João,

      Estive para relembrar algumas das equipas do Paulo Bento mas achei injusto. Os jogadores não eram grande coisa como aqui se vê, mas mesmo assim construíram-se equipas competitivas.

      Os jogadores da equipa atual não são brilhantes, mas o treinador e a falta de dinâmica da equipa fá-los parecer muito piores do que são verdadeiramente.

      SL

      Eliminar