quarta-feira, 12 de fevereiro de 2020

Falar para não se falar enquanto se fala

Em Portugal, a arbitragem é um dos elementos fundamentais para explicação dos resultados e das classificações. Conhecemos demasiado bem os árbitros, os seus truques e manhas, para pensarmos de outra forma. Depois de se reformarem, esses árbitros vão para observadores, comentadores e dirigentes de arbitragem e voltamos a reconhecer os mesmo truques e manhas nas novas profissões, ajudando a construir uma narrativa desculpabilizante que privilegia conceitos como o “controlo do jogo” em contrapartida à aplicação das regras e à coerência de critérios em juízos que implicam interpretação. 

Esta introdução vem a propósito da arbitragem do Porto vs Benfica e de tudo o lhe sucedeu. Quem conhece os tais truques e manhas, percebe que o árbitro ficou condicionado quando não mostrou o segundo amarelo ao Taarabt por cortar a bola com o braço, evitando, assim, um cruzamento da equipa do Porto. Tenho as mais sérias reservas que o árbitro tivesse marcado “penalty” no lance exatamente a seguir se não fosse esse erro manifesto: o defesa do Benfica foi desequilibrado quando saltava para a bola por um ligeiro empurrão do avançado do Porto. No entanto, a partir do momento que essa (suposta) falta não é considerada, o “penalty” não podia deixar de ser marcado, de acordo com o que vamos vendo e as interpretações que nos vão impingindo. Voluntaria ou involuntariamente, o defesa desloca o braço e intercepta a bola cabeceada em direção à baliza. 

Anteontem assisti a um exercício de contorcionismo absolutamente delirante de um comentador de arbitragem e ex-árbitro. Jura ele, há uma lei ou uma orientação da FIFA, da UEFA, da UNICEF, não se sabe bem, que impede explicitamente a amostragem de amarelo nestes lances como o do Taarabt. Às páginas tantas, começou-se a enrodilhar na explicação e, embora continuasse a afirmar que é assim, o árbitro também devia considerar quantos jogadores de uma e outra equipa estavam dentro da área, aplicando-se esta lei ou orientação só a este tipo de lance (não percebi se era mesmo a este lance em concreto), não se generalizando para quaisquer outros em que os jogadores cortem a bola com o braço. Esta explicação fez-me lembrar uma outra muito conveniente há uns anos atrás, quando o árbitro marcou livre indireto contra o Sporting num jogo contra o Porto num lance em que o Polga corta a bola e o guarda-redes, o Stojković, a agarra. Nessa altura, explicaram-nos que não importava se se tratava de um passe ou de um corte, de um lance voluntário ou involuntário, o que relevava é se a bola se dirigia para a linha de baliza. Depois desse jogo nunca mais ninguém ouviu falar dessa lei ou orientação, exatamente o que acontecerá a esta da FIFA, da UEFA ou da UNICEF. 

Em amena cavaqueira com os jornalistas, o Luís Filipe Vieira, Presidente do Benfica, disse tudo com a sagacidade habitual através da seguinte pergunta retórica: “Se o penalty fosse contra o Porto acham que a pastelaria do Soares Dias estaria aberta?”. Quem ainda não estava esclarecido, não tem razões para continuar a não estar. O problema deste exercício de retórica é que circunscreve o problema à indústria da panificação e a certas latitudes. Assim de repente, lembro-me de um árbitro que ficou sem a arcada dentária no Centro Comercial Colombo onde não dispõe de nenhuma pastelaria e que, tanto quanto se sabe, não fica Rua de Santa Catarina. 

Ontem, Pedro Adão e Silva também tem uma crónica no Record bastante esclarecedora do estado de espírito benfiquista, com o título: “(Não) Falemos de Arbitragem”. O título e o seu conteúdo são muito divertidos: fala-se de arbitragem como se não se falasse e se quisesse falar de outra coisa. Para explicar a razão para não se falar da dita cuja, começa por afirmar, sem mais, que a “arbitragem do Soares Dias foi desastrosa”. Em seguida, gasta metade da crónica a acusar o Porto de pressionar os árbitros e afirma que essa pressão produziu resultados no último jogo. Para quem não quer falar, fala pelos cotovelos e imagina-se o que seria se quisesse falar. Em seguida, procura explicar as debilidades do lado esquerdo da defesa do Benfica, embora conclua em tom apologético que, ultrapassadas essas dificuldades, “com a bola no pé e Taarabt aos comandos, o Benfica regressou à sua identidade, apresentou um futebol associativo e reentrou no jogo”. 

A propaganda tem um tal potencial que ilude os próprios benfiquistas de mente mais analítica. O que este jogo revelou foi uma equipa do Benfica sofrível, com uma defesa que é um buraco (o Porto tem mais quatro oportunidades de golo cantado, duas pelo Pepe junto à pequena área – uma na primeira parte, outra na segunda – e duas do Luís Diaz, a acabar o jogo, que conclui, primeiro, com remate para grande defesa do guarda-redes do Benfica e, em seguida, a fintar-se a si próprio e a rematar contra as pernas de um defesa) e que, noutros tempos, com um Jackson Martinez, um Falcão, ou um Hulk, tinha regressado a casa com a mala cheia. Espremido, espremido, o ataque resumiu-se a dois remates à baliza que resultaram em dois golos, com o primeiro a constituir um frango absurdo do guarda-redes do Porto que não consegue sacudir a bola por cima da barra. Também ficou evidente que o Beckenbauer de Dortmund afinal é o Weigl, um jogador que já não tinha lugar a titular na sua equipa e foi despachado por vinte milhões de euros, que, muito provavelmente, são para abater numa outra conta qualquer.

24 comentários:

  1. Ontem, contra o grande Famalicão,o Slb fez mais uma grande exibição e só não foi melhor porque o GR grego não deixou. A defesa encarnada é um buraco, com destaque para o craque Ferro que deve ter atingido o ponto de maturação para ser contratado por Mourinho. Pode ser que, nessa altura, o Jorge Mendes coloque Illori na Luz.
    Mas o que é isto tem a ver com a arbitargem? Nada, não tivesse sido Jorge Sousa o fulano do apito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Depois do que vi ontem, no jogo do Benfica contra o Famalicão, o Braga na próxima jornada está em muitos maus lençóis. Não vale a pena esperarem nada dos jogadores do Benfica. Dali não vem a salvação e assim vão ter mesmo de perder o jogo sozinhos.

      SL

      Eliminar
    2. E nunca mais deferem o pedido do benfic@ para trazerem os árbitros estrangeiros...

      Eliminar
  2. "um jogador que já não tinha lugar a titular na sua equipa", mas que ainda assim foi titular em 13 dos 16 jogos na bundesliga e em 4 jogos da champions (não foi nos dois primeiros da fase de grupos)... É que se nem nos pontos objectivos os argumentos são válidos, como é que se pode esperar que o sejam nos subjectivos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Há a seguinte expressão ´recorrente de um político brasileiro que admiro, Ciro Gomes, que nos pode ajudar a resolver este diferendo: “vamos pensar juntos”.

      O texto tem que se ler todo e perceber-se no seu conjunto. As frases não são para depenicar e escolher a parte que nos dá mais jeito sem se considerar o contexto. Mesmo as frases depenicadas têm que ser lidas e analisadas com cuidado, prestando atenção a tudo e neste caso a um advérbio. Também não se podem tirar conclusões a partir do que não está escrito.

      O texto todo e, em particular, esse parágrafo tem como referência a propaganda que no Benfica é uma coisa que não acaba, envolvendo todo o aparelho mediático. Essa propaganda, envolvendo ex-árbitros e todo o género de jornalistas e comentadores, deixa as pessoas numa bolha e os mais incautos deixam de pensar pela sua cabeça.

      Ouvi várias vezes que a contratação do Weigl era a mais relevante do futebol português de todos os tempos. Revelava que o Benfica estava num outro patamar e se preparava para o patamar dos melhores da Europa. É neste contexto que nos foi anunciada a contratação do Weigl. Assim de repente, toda esta gente que não se cala esquece-se da contratação, por exemplo, do Schmeichel e do Casillas (sobre estes não temos dúvidas, pois não?).

      No texto, não digo em sítio nenhum que o Weigl é mau jogador, não tenho elementos para afirmar uma coisa nem outra. O que parece evidente é que, passado o jogo contra o Porto, afinal já há dúvidas. Afinal, afinal, o homem só passa bolas para trás e para os lados. São muito interessantes estas dúvidas quando se está perante o anunciado melhor jogador estrageiro que alguma vez jogou em Portugal, conforme foi anunciado.

      Também não disse em nenhum momento que ele não era titular. O “já”, esse pequeno adverbio, faz toda a diferença. Nos últimos tempos do Dortmund deixou de ser e estava no banco. Aparentemente, o treinador tinha mudado o sistema tático e não contava muito com ele como titular indiscutível.

      Agora, vamos mesmo pensar juntos.

      O Dortmund é só a equipa no Mundo que tem a maior percentagem de assistências. Há lista de espera para se comprar bilhetes, dado que qualquer espetador que compre bilhete de época e falte a três jogos seguidos, perde esse bilhete (acontece mais ou menos a mesma coisa no Bayern de Munique). Acredita, acredita qualquer pessoa que pense pela sua cabeça, sem efeitos colaterais da propaganda, que um jovem jogador, a jogar a titular na segunda melhor equipa do campeonato alemão, com aspirações a ganhar esse campeonato e a Liga dos Campeões, jogando com grandes jogadores, num estádio com sócios vibrantes e num campeonato competitivo, deixa isso tudo para vir jogar em Portugal, no Benfica? Deixa tudo isso para fazer jogos entusiasmantes em Moreira de Cónegos e em Tondela ou para fazer cenas tristes na Liga dos Campeões?

      Depois, o Dortmund é sobretudo um clube comprador. Venderam o Weigl e logo a seguir, pelo menos, compraram um avançado austríaco de 19 anos por duas vezes e meia o preço que o Benfica pagou. Mais uma vez, uma pessoa que pense pela sua cabeça, acredita que o Dortmund se desfaz dos seus titulares por 20 milhões de euros?

      Pensando juntos, as coisas são mais fáceis de compreender, como vê.

      Eliminar
    2. Arre, que "biolência"!

      Resposta do AMC: ..."som de grilos"...

      Eliminar
  3. Portugal inteiro ao serviço dos lampiões...venham de lá esses árbitros estrangeiros!! Se tivessem vindo logo no principio da época a quantos pontos estariam do primeiro??? Choradinhos ás missas e aos padres já não colam...a maioria dos portugueses já vos conhece e já conhece o lamaçal onde se movimentam e naquilo em que tornaram o futebol português! Toupeiras, os árbitros da liga dos campeões são estrangeiros e vê-se as lindas pontuações que teêm feito!! Chorem,quem não chora mama, vocês querem é ver se mamam tudo! SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Por uma vez, estou de acordo com Luís Filipe Vieira. Venham daí os árbitros estrangeiros. Ontem era tarde. Os árbitros portugueses devem estar furiosos. No máximo dos máximos, até ao final da semana anunciam uma grave aos jogos do Benfica. Via uma aposta?

      SL

      Eliminar
    2. A maior parte dos benfiquist@s são tão limitados que ainda não se aperceberam que os árbitros estrangeiros viriam munidos de uam coisa que eu tenciono espalhar lá no meu quintal no próximo fim-de-semana: pastilhas contra toupeiras!!!

      Eliminar
  4. Tudo muito bem escalpelizado na sua cronica.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Ângelo,

      Muito obrigado pelo seu comentário. Tentei sintetizar num só "post" a espuma dos dias benfiquista.

      SL

      Eliminar
  5. E continuou-se a comprovar a "qualidade" da equipa do benfic@ ontem, no jogo contra o Famalicão. Não vi o jogo, mas pelo resumo o benfic@ foi uma ou duas vezes à baliza do Famalicão, enquanto estes ocuparam o meio-campo daqueles com variadíssimos lances de perigo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Vi o jogo. Confirma-se tudo o que disse. A equipa do Benfica é sofrível e a defesa um buraco medonho. A arbitragem foi a do costume, agora com o árbitro George Sousing. Tudo como dantes, quartel general em Abrantes.

      SL

      Eliminar
  6. (Não falemos de arbitragem!)
    Ontem o amigo do Sporting que dá pelo nome de Jorge de Sousa provou a Vieira que os árbitros portugueses são "pura cepa", não há melhor na Europa!

    Um comentador falou do próximo Braga x Benfica. No tempo em que o Braga era o "Arsenal do Minho" seria dificil para o Benfica, nos dias de hoje vai dar tipo 0x1 ou 1x2. Veja a estatistica dos ultimos anos. Neste jogo o árbitro não vai precisar brilhar.

    João Balaia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro João Balaia,

      Não falando de arbitragem, que é feito (quando se ganha), mesmo assim sempre se pode dizer que o anunciado árbitro George Sousing é fisionomicamente muito parecido com o árbitro português Jorge Sousa e também apita exatamente como ele. Nem abrindo um sobrolho ao adversário o Taarabt levou amarelo e foi expulso.

      Penso que nas últimas cinco épocas o Braga perdeu os jogos todos e alguns de goleada. Não sei como é vão fazer desta vez. Não vale a pena contar com o Benfica, os jogadores do Braga vão ter de perder o jogo sozinhos.

      SL

      Eliminar
  7. Depois do choradinho pós-clássico, eis que ontem contra o Famalicão lá regressaram as missas bem rezadas.
    Golo do Benfica precedido de falta aquando da recuperação da bola, golo do Famalicão anulado por um fora de jogo assinalado a quem não interfere com a jogada,e a cereja no topo do bolo, aos 31 minutos Taarabt (o tal que foi "barbaramente" bi-agredido no Dragão) agride à cotovelada um adversário deixando-o visivelmente (visto nas imagens televisivas) a sangrar do sobrolho. A sua punição: siga o jogo, que não aconteceu nada...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Também me pareceu assim no golo anulado ao Famalicão. O Taarabt é um caso que ultrapassa tudo. São n os jogos que devia ter ido para a rua. O rapaz não se controla e são umas atrás das outras sem ter noção sequer. Não satisfeitos com a impunidade, ainda resolvem fazê-lo de coitadinho no lance com o Marega quando devia ter sido expulso por duas vezes. Ontem, nem com o sobrolho aberto do adversário e com ele a jorrar sangue o árbitro conseguiu mostrar-lhe o segundo amarelo e colocá-lo fora de campo. Um dia destes, ele entra em campo com uma moto-serra e não fica nenhum para contra a história, sendo certo que não será expulso (e um ex-árbitro nos irá explicar a boa razão para tal não acontecer).

      O divertido é não haver uma única razão de queixa do treinador e dirigentes do Famalicão. Havia de ser com o Sporting! Somos gamados jogos atrás de jogos em especial contra o Braga e os do Braga ainda têm a distinta lata de dizer quer somos a equipa mais beneficiada pela arbitragem.

      SL

      Eliminar
  8. O Jorge de Sousa deu um amarelo a Coates aos 10 minutos de jogo e ainda ameaçou : na próxima vais para a rua.
    Ao Taarabt diz : à decima levas uma descompostura.

    João Balaia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Excelente síntese da performance do árbitro JS.

      Eliminar
    2. Caro João,

      Não sei se chegava a tanto. Na melhor das hipóteses dizia-lhe: "Mau, és um mau!" e fazia-lhe uma careta com a língua de fora.

      SL

      Eliminar
  9. Caro Rui,
    Apenas um apontamento: Não são exercícios de contorcionismo esses discursos na TV; é o Departamento de Ficção do Ministério da Verdade a corrigir todos os dados imbons.
    Abraço, Miguel

    P.S. Como esta mensagem não se autodestruirá em poucos segundos, corremos o risco de ser descobertos e vaporizados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Miguel,

      As frases do Orwell também devem estar na porta de alguns directores de televisão e de outros órgãos de comunicação social: “Guerra é Paz”, “Liberdade é Escravidão” e “Ignorância é Força”.

      A maior preocupação não é com a minha vaporização mas com a pastelaria. Aconteça o que acontecer, a pastelaria tem que abrir, a clientela entre um garoto e meia torrada tem direito a ler "A Bola".

      Abraço

      Eliminar
    2. Caro Rui,
      Enquanto houver plebe, há esperança.
      Nesta pista, dizem os dados do Ministério, pelo menos 60% da plebe está completamente dominada, mas sempre sobrarão alguns.
      Abraço

      Eliminar