sexta-feira, 24 de janeiro de 2020

A encruzilhada


Frederico, o Invisível, emergiu ontem de um nevoeiro cerrado que durava há semanas (derrotas com Porto, Benfica e Braga) para apresentar o jogador Sporar. O jogador chega ligeiramente atrasado, cerca de seis meses, mais concretamente. Antes o nevoeiro tinha tragado o jogador Fernando, recambiado após umas curtas férias de seis meses, assomando também, por vezes, um tipo chamado Jey-M, conhecido como o jogador Jesé. Entretanto, o Paladino Frederico, sua alma gêmea, entretinha-se a gatinhar em algumas reuniões os problemas do futebol português, leia-se as claques do Sporting. De resto, as preocupações eram todas nossas, as de alguns adeptos inconformados com as derrotas envoltas em pele de cordeiro. Pelos vistos o trabalho invisível terá redundado em resultados bem visíveis. A encruzilhada afinal é nossa. Também essa é invisível aos olhos de Frederico.  

11 comentários:

  1. Excelente, meu caro

    Mas para além da sua invisibilidade, amadorismo e incompetência, Frederico vive numa espécie de limbo, onde nada acontece. Basta olhar para o seu sorriso ontem na apresentação de Sporar para percebermos que ele não reside neste mundo. Isso até seria bom para abraçar uma carreira artística, não para presidente do Sporting.

    um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FV não reside neste mundo, dizes tu. Eu digo: é pena que tu residas

      Eliminar
    2. Caro Vidal,

      Obrigado. A carreira artística está em curso. Não será isso ser presidente do Sporting?
      Um abraço

      Eliminar
    3. Quanto ao anónimo, resta-nos dizer que a sua invisibilidade enquanto anónimo é redundante.

      Eliminar
  2. Então e quem é que paga aquela alegre casinha na avenida da liberdade , no valor de quase 1 milhão de euros ?????

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      isso são contas de outro rosário. Gostaria de saber as do Sporting. Não serão rosas, não senhor. Alguém sabe?
      Sl

      Eliminar
  3. A conversa do trabalho invisível foi uma patetice,mais uma, de Varandas. Não basta trabalhar muito, não sei se será o caso, há que trabalhar bem, não é manifestamente o caso. Têm sido asneiras atrás de asneiras, cada dia que passa, estamos pior. Até o inefável Pezero aparece a reivindicar os exitos da época passada (obtidos, com muita felicidade, sob o comando do desconhecido Keizer), como se nós nos pudessemos esquecer que o futebol de Pezero era miserável. Mas uma encruzilhada supõe a existência de vários caminhos e só vejo um caminho. Se o Paladino é uma pessoa honesta e não tenho evidências que não seja, deveria reconhecer que não tem jeito nenhum para desempenhar as tarefas de Presidente do Sporting, deveria sair de cena. A Encruzilhada apareceria depois, quem lhe deveria suceder? Haverá vários caminhos mas o do banqueiro das falências, acompanhado do empresário dos tachos não me parece melhor caminho que o actual.
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Seremos nós invisíveis? Não me parece. Cada coisa a seu tempo. Vai ser necessário escolher um caminho. Este chão não dá uvas. pelo menos que se vejam.

      SL

      Eliminar
  4. Ele há coisas....
    Peseiro levou o Sporting à segunda final europeia da sua história. Se tivesse o Morais talvez tivesse ganho. Por outro lado perdeu o campeonato cá do burgo por azares vários e por um atropelamento ao guarda-redes Ricardo.
    Esta no Wiking Sporting. Nem JJ conseguiu tal
    Há que respeitar a Hostória.

    ResponderEliminar
  5. Meu Caro,

    Isso sem contar as bolas na barra e a barriga do Rochemback. Bons tempos esses e outros em que "quase", ou "se" e tal. Agora nem isso.

    SL

    ResponderEliminar