terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

A falta que um estarola faz

O princípio da convergência para a média, que enunciei no último “post” aplicado à evolução do ciclo económico e ao Sporting, também se aplica ao Benfica. Ao que dizem, o Benfica está muito melhor do que na época passada. Ora não há nada que melhore interminavelmente. Tudo o que melhora, um dia piora. A derrota com o Guimarães explica-se assim, pelo menos em parte.

Mas, como disse, nem tudo se explica assim. O que não se explica é que numa altura crucial como esta do Campeonato o Jesus não tenha recorrido ao Djaló. Se não era para o utilizarem nestes jogos decisivos, então, contrataram-no para quê? Só porque é do Benfica desde pequenino?

5 comentários:

  1. Ai se neste caso, o benfas fosse o Sporting!!! Que especulações já haveriam na comunicação social, mas como é o benfas, ninguém diz nada acerca da mais mediática de Janeiro eheheh

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Karl,

      A contratação do Djaló serviu simplesmente objectivos mediáticos. Não tem lugar no Benfica e o Jesus, que não é parvo, sabe isso. Para mal de nós, não o põem a jogar. Antes assim não fosse.

      SL

      Eliminar
  2. Fez falta o Djaló e aquele defesa espanhol campeão do mundo e da Europa. Aliás, em relação a este último moço, deviam ser obrigados a jogar com ele pois nós também penamos a jogar com o nosso defesa central campeão do mundo. Por falar no Polga lembrei-me da lesão do "Capitão América" e dos insondáveis mistérios do destino que fazem com que os jogadores que nos fazem faltem se lesionem e com que aqueles que não fazem, nunca se lesionem.Arre!
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro A. Trindade,

      Estou de acordo. O nosso problema não são as lesões. São as lesões erradas. Não é só o mercado que não pega no Polga, no Carriço ou no André Santos. Não há doença que lhe pegue também.

      SL

      Eliminar