segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Quando a notícia é o cão a morder o homem (*)

O Sporting criticou o árbitro da jornada anterior. A opinião pública foi unânime nessa crítica. Em “off” apareceram umas críticas do Sporting à nomeação do árbitro para esta jornada. Até aqui, nada de novo. É o que acontece semana após semana com todos os clubes e envolvendo, praticamente, todos os árbitros. A tradicional notícia do cão a morder o homem.

O árbitro, alegando razões psicológicas, recusou-se a arbitrar esse jogo. Um pouco mais insólito mas, mesmo assim, ainda uma notícia do cão a morder o homem. O que é insólito é todos os árbitros se recusarem a arbitrar esse jogo. Aqui passamos à notícia do homem a morder o cão.

O “Público”, e muito bem, noticia hoje [ontem] o homem a morder o cão. Quando se esperava que a notícia fosse mesmo essa, afinal a notícia continua a ser a do cão a morder o homem. Paulo Curado e Hugo Daniel Sousa desenvolvem uma notícia sem, em nenhum momento, procurarem saber porque é que, desta vez, os árbitros optaram por este boicote. Por outras palavras, o que gostaríamos de saber é por que razão o homem decidiu morder o cão. Os árbitros costumam alegar sistematicamente questões psicológicas para não arbitrarem os jogos? Em que situações é que o fizeram no passado? Quando um árbitro alega essas questões os outros costumam recusar-se também? E este árbitro em particular? Sendo as críticas às arbitragens triviais e sendo este o móbil da solidariedade dos árbitros, como se afirma na notícia (onde se associa a permanente suspeita sobre a arbitragem com a agressão a Pedro Proença), porque é que o alvo foi o Sporting e não todos os clubes da Liga? Não faria mais sentido uma greve?

Com as respostas a estas questões, teríamos compreendido melhor por que razão, subitamente, o homem mordeu o cão. Mas, não. O “Público” optou pela notícia do cão a morder o homem, apesar do título da notícia insinuar o contrário. A notícia não é o boicote, são as críticas do Sporting. Não se compreende que o título da notícia (“Árbitros respondem às críticas do Sporting com um boicote em Aveiro”) não tenha levado os jornalistas a averiguar se esse boicote faz ou não sentido, se é legítimo e se, no limite, não coloca em causa o dever de isenção e imparcialidade dos árbitros. Isto é, depois deste boicote selectivo (nunca foi feito a qualquer outro clube em idênticas circunstâncias) os árbitros dispõem de condições para arbitrarem os jogos do Sporting?

A elaboração da notícia segue tudo menos o Livro de Estilo do “Público”. Não há qualquer investigação própria. Limitam-se a recuperar declarações avulsas e adicionam-lhe outras da APAF. Nem sequer se dão ao trabalho de qualquer exercício de contraditório. Ninguém do Sporting é ouvido. Ninguém que não seja árbitro ou da arbitragem é interpelado sobre este boicote. Nada. Depois disso, claro, não espanta que a notícia seja o cão a morder o homem.

Isto já era suficientemente mau. Mas a notícia do cão a morder o homem ainda deu origem a um comentário de Jorge Miguel Matias (JMM), que não só confirma que o cão mordeu o homem como ainda vai mais longe e afirma que não havia razões para o cão ter mordido o homem (pois no jogo da primeira jornada ambas as equipas foram prejudicadas, insinuando que o foram de igual forma). Aliás, o texto tem uma parte muito engraçada. O JMM critica Godinho Lopes por ele afirmar que os árbitros portugueses não dispõem, entre outras, da necessária preparação psicológica. Mas não são exactamente por razões psicológicas que os árbitros não querem arbitrar os jogos do Sporting?


(*) Carta enviada ontem ao Provedor do Público, na sequência da notícia publicada ontem com o título "Árbitros respondem às críticas do Sporting com um boicote em Aveiro”

7 comentários:

  1. mais piada ainda teria saber porque razão um árbitro de 3ª categoria apita tão bem ou melhor como um que ganha 5000€/mês.
    e ainda porque razão o sporting, agora, não se reserva ao direito de recusar ser apitado por qq um dos 25 incompetentes que formam a elite da apitaria portuguesa.
    aproveitar esta nojice para cerrar fileiras e unir os sportinguistas.
    ah já sei, afinal a arbitragem estava morta desde 98 (lembram-se do luto?) e ainda não sabe...pelo cheiro da mesma ninguém duvidará!

    ResponderEliminar
  2. Já agora Rui, quando (e se) receberes resposta, por favor partilha-a aqui também

    ResponderEliminar
  3. O Público e o Sporting. Uma velha estória !!

    ResponderEliminar
  4. Boas!

    Devo dizer que gosto imenso deste blogue!

    Podem adicionar os meus aos vossos links? Eu prometo que retribuo :p

    http://davidjosepereira.blogspot.com/

    Saudosos cumprimentos!

    ResponderEliminar
  5. Meus parabens,

    Cada vez gosto mais de lê-lo.... Desde que vi uma referência no cacifo ao seu blog que o acompanho, escreve bem e é sobrio. Continue é de gente como vc que o sporting precisa...

    Os jornalistas aprenderiam muito se o lessem..

    SL

    ResponderEliminar
  6. estava agora a ver o programa prolongamento e o representante do benfica dirige-se ao ex-árbitro pedro henriques dizendo-lhe que o seu afastamento da arbitragem se ficou a dever ao jogo guimarães-braga, quando toda a gente sabe que foi após o benfica-nacional pelos motivos que todos sabemos (a não marcação de um penalty , que por acaso não existiu a favor da lampionagem),
    peço-vos que não deixem passar em claro esta óbvia lavagem da imagem do benfica perante milhares de telespectadores em futuros posts.
    Obrigado pela atenção
    João Xavier

    ResponderEliminar