quinta-feira, 7 de junho de 2018

A que horas começa a guerra?


Sempre disse (por aqui variadíssimas vezes) que ser sportinguista é meio caminho andado para um pacemaker. A esse (meio) caminho estamos habituados (não confundir com resignados). Falhar, falhar sempre, falhar cada vez melhor, tornou-se não apenas um hábito mas uma maneira de ser que ecoava solenemente no estádio durante a entrada da equipa, introduzindo-se sorrateiramente no nosso ADN. Diz que as modalidades, por vezes, não sentiam esse formigueiro, mas bem sabemos que a equipa de futebol principal é esse meio caminho andado de todos nós.

Ultimamente tentei tudo. Primeiro o costume: doses maciças de humor; longos passeios de ironia; massagens de boa disposição; especializei-me em introduzir novas e interessantes temáticas nas conversas com adeptos dos nossos rivais. Dei por mim cabisbaixo, incrédulo, embaraçado. Dei por mim de comando na mão, passagens aqui e ali, a mesmo ruminação de sempre, comentadores, protocandidatos, candidatos putativos, mãos estendidas, colunas verticais dobradas, jornalistas à paisana. Não aguentei, confesso. Sou um tipo sensível e com alguma réstia de dignidade (já nem digo bom gosto). Tentei dormir. Decidi escrever algo. Mas o quê?

Pode cair o carmo, a trindade e a torre dos clérigos que não é a mesma coisa. Com o Sporting as hienas encarniçam-se, convivem sorrateiramente com os leões, unem-se aos abutres. Aguardam o costume: ficarem apenas dois a repartir o bolo. Não sentem já as condescendentes pancadinhas nas costas? Os sorrisos compreensivos, paternalistas? Antecedem a estocada final.

Começo a achar que não precisamos de inimigos. Com amigos assim, fazemos bem o trabalho entre portas. Enquanto ainda tivermos portas para abrir e fechar. Quando nem o meio caminho andado chega para um pacemaker, temos que inovar. Somos bons a inovar, quase tão bons como a falhar. Deixem-nos falhar. Deixem-nos falhar cada vez melhor. Mas deixem ser os sportinguistas a decidirem o caminho. É meio caminho andado, vão ver.


6 comentários:

  1. Excelente comentário, só acrescentaria o seguinte, estas hienas, que andam nas televisões a fazer o jogo dos abutres, no pós-bruno de carvalho, irão ser os primeiros a reconhecer a enorme injustiça que eles praticaram.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu Caro,

      Obrigado. Não sei se as hienas (sejam elas quais forem) têm essa capacidade. A sua formação genética é outra. De resto só nos resta decidirmos o nosso caminho. Como? Eleições.

      SL

      Eliminar
  2. Grande texto com o qual me identifico na totalidade. Mas para nos deixarem falhar temos que decidir o nosso caminho. Eleições Já!

    Leão de Leiria.
    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado, meu caro.

      De acordo. Mas o tempo escasseia.

      SL

      Eliminar
  3. Mais um texto de inteligência pura
    Concordo em absoluto
    Só temo que quando foi técnica e juridicamente possível decidirmos
    Já reste pouco....com condições de afirmação
    Se levarem, como parece, o caso para os tribunais, vamos iniciar a época com uns 30 pontos de atraso face à concorrência...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu Caro,

      Muito obrigado. Trata-se apenas de uma modesta contribuição. Espero que não cheguemos demasiado tarde ao que interessa realmente: o futuro do SCP.

      SL

      Eliminar