quarta-feira, 23 de maio de 2018

No rasto do furacão


Vergonha
Quando daquela vez viste um avião cair com uma outra equipa lá na América do Sul, a culpa foi do piloto. Mas quando caiu a tua equipa a culpa foi apenas tua. Mesmo que não fosse, foi isso que sentiste. E mesmo que não tenhas sentido, foi isso que te quiseram fazer sentir. Só não sei se como castigo de opções passadas, se para te imporem opções futuras.

Vazio
Quando o da assembleia em vez de ser solidário falar em jogos à porta fechada, quando o primeiro em vez de ser solidário anunciar algo que não tem, uma Autoridade, e o presidente solidário não tiver uma só palavra para contigo, é porque definitivamente, como diria o Manuel António Pina, a tua pátria é mesmo o teu clube.

Profecia
Nos tempos da dinastia croquete, explicava assim uma assembleia geral: “se vais para as primeiras filas estão uns gajos de gravata que te vão gamar a carteira; se ficas mais para trás estão uns tipos que te dão com uma barra de ferro nas costas”. Aconteceram as duas. O pior de dois mundos.

Moche ao gordo
Sete dias tem o bullying e desengane-se quem acha que populismo é lepra que grassa apenas nas lideranças. É também uma certa forma de fazer mentirismo: perguntas que já contêm respostas; microfones só para certas bocas; mentiras muitas vezes repetidas; verdades sistematicamente esquecidas; tudo fora do seu contexto; 50 valem mais de três milhões e meio; um grunho de óculos a espumar a meio da escada conta mais na TV que todos os outros a aplaudir; a canalhice dos sinónimos escroques; uma emboscada trituradora; um diluvio de rescisões; testes psicotécnicos em Nápoles; Benfica de olho no cu da vaca. E nisto, contra a desonestidade em forma de microfone, temos um canal a ensinar como se faz caldeirada.

Lamechice
Percebe-se que estejamos senilizados. É a demografia. Mas isso não explica a paranoia “do vai acabar”. Também não é preciso estar sempre a reclamar que tal não vai acontecer. As evidencias não necessitam de ser afirmadas.  

Não há futuro sem passado
Em 50 anos houve três presidentes com projeto, com impacto e com resultados: João Rocha, José Roquete e Bruno de Carvalho. Qualquer um deles com erros de palmatória. O que havia antes explica o seu sucesso e o que veio depois nunca foi melhor. Só o primeiro é que saiu pelo seu pé. Ainda ninguém concorda com isto, mas lá no futuro poderei dizer, lembram-se?

 O passado não tem futuro
A dinastia croquete existiu com a complacência bovina dos associados. Mas no presente, toda e qualquer criatura relacionada, próxima ou semelhante arrisca-se a levar uma marrada. E não se espere que um guarda-redes de futsal saiba fazer uma pega de caras.

O presente também não
“A gente não percebe o que disse sem querer, e o que deixou pra depois. Mas o importante é perceber que a nossa vida em comum depende só e unicamente de nós dois”. Ou se demite você ou o demitimos nós. Até lá pode continuar a contratar velhas glórias, seja porque a máquina precisa, ou porque nos quer fazer parecer que sendo o mesmo, já é outro.

Bas Dost
Lembra-te de agradecer todos os dias a quem não te confundiu com a escória. Lembra-te de agradecer ao único que percebeu que existiam “verdadeiros adeptos do Sporting”. Lembra-te de agradecer ao único que não te meteu no saco da canalhada cobarde. Lembra-te da voz que amainou a vergonha. Lembra-te todos os dias da infâmia que fizeram ao Sporting e da ignomínia que fizeram a este homem. Há coisas que não têm perdão.




11 comentários:

  1. Parabéns, caro Sérgio Barroso. Excelente texto.
    SL
    JHC

    ResponderEliminar
  2. c'a puta de texto com mais pinta. um bisturi a expôr o coração do Sporting a bater... breath in, breath out, relax. It's gonna be all right, y'know

    ResponderEliminar
  3. Um (verdadeiro) Leão. Grande, e importante, texto!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  4. Bom dia! Prosa positivamente apurada. Como já ouvi por aí, "as coisas são como são, valem o que valem, e no fim estamos cá para ver..." Não vale a pena andar com o pito aos saltos nem com demasiada ansiedade. Quanto mais o tempo passa e a poeira assenta, mais claro vai ficando o horizonte. E começa-me a parecer que ninguém quer muito saber dos outros 27 terroristas porque podem ter alguima coisa para contar que seja chata para a poesia tragicómica diária dos sobrinhos e dos tios.

    ResponderEliminar
  5. Meu caro,

    Não sei se dá um manifesto eleitoral, mas um preâmbulo de um manifesto eleitoral dá com certeza.

    Um abraço,

    ResponderEliminar
  6. Parabéns
    Excelentes reflexões para estes tempos de introspecção.
    SL

    ResponderEliminar
  7. Quanto à CI de ontem, repito às palavras que usei para definir a longa comunicação de BdC na véspera da final da Taça: PATÉTICO e SURREALISTA... BdC perdeu por completo a noção do rídiculo, perdeu o sentido da realidade... Na sua visão distorcida e paranóica, ele é o dono da VERDADE, o único que pensa e age em defesa dos legítimos interesses do SCP. É diz este aprendiz de ditador que ama o SPORTING Acima de tudo e todos.... perante os males que vem causando ao clube, pergunto-me o que seria do nós se não gostasse...

    Esta situação é insustentável!. O futuro do SCP está em perigo, a criminosa teimosia do "bando dos sete" ameaça a estabilidade e funcionalidade do nosso glorioso clube". Urge pois que os notáveis juristas que existem no universo leonino juntem esforços para encontrarem uma solução legal que permita afastar BdC e os restantes elementos da sua direcção... O SCP não pode continuar refém da insanidade mental de um indivíduo cuja narcisismo exacerbado e um ego descomunal destruíram o que de positivo tinha feito ao longo do seu mandato. Diz a história que o rei LOUIS XIV, da França, proferiu a célebre frase "L'ETAT C'EST MOI" ou seja O ESTADO SOU EU... BdC age como se intimamente pensasse que... "O SPORTING SOU EU"... Enganas-te caro BdC... Reflecte, sai pelo teu próprio pé, aproveita a chance de manteres a dignidade e honra que um presidente do SCP merece na hora de sair de cena.

    Nestes momentos conturbados e inquietantes, em que acordamos sem saber que mais irá acontecer ao clube que amamos, o que nos conforta e dá esperança é a convicção que "SER DO SPORTING NÃO SE EXPLICA... SENTE-SE". O quadro é delicado, há mais dúvidas que certezas, a instabilidade poderá condicionar a capacidade competitiva da nossa equipa de futebol... Mas o SPORTING CLUBE DE PORTUGAL vai sobreviver e emergir desta tempestade ainda mais forte e vencedor, honrando a sua incomparável história.

    ResponderEliminar