segunda-feira, 9 de abril de 2018

A teoria do caos e a vitória contra o Paços de Ferreira

Há fenómenos difíceis de explicar e por isso é que são fenómenos, pelo menos num primeiro momento. Por exemplo, é difícil compreender como é que um simples bater de asas de uma borboleta no Japão pode originar um tufão nos Estado Unidos. Mas até o caos tem uma teoria que o explica, transformando-o em algo que se pode entender, desde que se conheça o início e o fim de tudo. No início foi o Facebook; no fim a vitória por dois a a zero contra o Paços de Ferreira. Sabendo isto, a sucessão de acontecimentos obedece a uma ordem, a uma teoria, que não determina o caos mas que o explica.

O Coates não se desconcentrou e o Mathieu também não. O Coentrão não jogou para não levar amarelo. O Bas Dost jogou mas não fez falta nenhuma, embora se não tivesse aparecido no primeiro golo tivéssemos sentido a sua falta. O Gelson não entortou o corpo e nem sequer rematou, com medo de rematar para a direita. O Bryan Ruiz só rematou uma vez e fuzilou de imediato para a esquerda. Nos minutos finais, apesar de estarmos a jogar contra dez e contra um guarda-redes improvisado, não atacámos para o Montero não falhar nenhum golo de baliza aberta. Mancomunado com outros jogadores e os adeptos, o Rui Patrício bloqueou todos os remates e cruzamentos do Paços de Ferreira, manipulando a equipa no seu conjunto. Por uma vez, o Jorge Jesus não falou só dele e defendeu igualmente os seus jogadores.

Assobios? O mais possível. Meninos mimados? Sempre que necessário? Insultos? Insultos é que não. É necessário voltar de imediato ao Facebook. Só com nova teoria do caos somos capazes de passar a eliminatória contra o Atlético de Madrid na próxima quinta-feira e não há tempo a perder se pretendermos que os acontecimentos se sucedam de forma adequada a esse resultado.

6 comentários:

  1. Isto é o Sporting a ser Sporting.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ninguém é melhor a fazer isso do que nós.

      Eliminar
  2. Caro,
    eu que sou um gajo que gosta de finais à Braveheart ou Armageddon... ontem quando vi o Bruno de Carvalho agarrado as costas, pensei... bem o Rui vai falar com o Coates e os dois vão buscar o homem e levá-lo até à curva Sul... no final, o Rui diz na conferência de imprensa que os jogadores reconhecem ter-se excedido na resposta e que apesar de os jogadores preferirem um presidente menos adepto, o Sporting Clube de Portugal precisa do Bruno de Carvalho com presidente e, que por isso, os jogadores não estarão nunca acima do Sporting Clube de Portugal e desse modo não podem deixar que os sócios exigem a sua demissão. Do outro lado, o Bruno de Caravalho afirma que não são precisas desculpas de nenhuma parte porque todas as partes perceberam que o que importa realmente é o Sporting Clube de Portugal... nós adeptos e sócios choramos baba e ranho e vamos dormir que nem uns bebés...
    ....no lugar disso, o que é que eu vi... os jogadores a fazer voltas olímpicas, como se tivessem vencido a liga dos campeoões numa clara mensagem ao Presidente de "eles estão connosco"; o Presidente que adora guerras destas sai a "correr" para a sala de conferências atirar em tudo o que mexe; o Jorge Jesus aproveita para ser o primeiro a abandonar o navio e escolhe o lado, que lhe parece ser o mais favorável à sua imagem... ou seja, o final feliz acabou num final de merda!
    Eu acho inaceitável o que o Bruno de Carvalho fez, mas ao ver os jogadores ontem feitos marias amélias deixou-me com aquela sensação que está realmente tudo mal... talvez o melhor seja passar os fins-de-semana a ver filmes, mas daqueles que choramos baba em ranho.
    Saudações leoninas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Esta história tinha todos os ingredientes para acabar mal. Não há finais felizes quando os intervenientes não os querem ter. O objectivo de todos era demonstrar quem tinha razão. A razão e quem a tinha não serviam para nada. O objectivo só podia ser o superior interesse do Sporting e não saber quem tinha ou não razão. Sendo assim, ninguém tem razão, dado que a razão não interessa para nada.

      SL

      Eliminar
  3. Perante a intensidade do movimento surrealista que se instalou em Alvalade nos últimos dias fiquei com uma única certeza, em Maio somos Campeões!!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Não depende de nós. Se dependesse, estava consigo. Agora, se o Porto for ganhar à Luz, tenho a impressão que ainda vamos colocar o Benfica em terceiro. Se houver um mínimo de justiça divina, é assim que tudo isto deverá culminar.

      SL

      Eliminar