terça-feira, 5 de dezembro de 2017

Foi tão bom para ti como para mim, não foi?

Dois grandes treinadores, dois grandes senhores do futebol mundial. Decidiram tudo no “pré-match”. O Jorge Jesus avançou primeiro: “Valverde, não metes o Messi e eu não meto o Bas Dost. Que dizes?” Valverde, como grande negociador, contrapôs: “Não chega. Tens de meter o pastelão do Alan Ruiz”. Jorge Jesus não se ficou atrás e procurou fechar o negócio: “Meto o pastelão do Alan Ruiz e tu metes o pastelão do André Gomes”. “Fechado”, conclui Valverde, acompanhado da bacalhauzada do costume. Duas notas sobre este diálogo: a enorme dificuldade em traduzi-lo do espanhol e o facto de o Jorge Jesus, como qualquer Secretário-geral da Organização das Nações Unidas, tratar toda a gente por tu.

Com os dois maiores goleadores europeus fora de campo e, em vez deles, dois dos maiores pastelões da Europa e, até, do Mundo, a primeira parte decorreu como se esperava. Não aconteceu rigorosamente nada. O Barcelona foi trocando a bola até lhe ser marcado jogo passivo. O Sporting resolvia tudo muito mais depressa, perdendo a bola sob qualquer pretexto ou sob pretexto algum. Salvou-se um nó do Luis Suárez sobre o Coates seguido de um remate para grande mancha do Rui Patrício. Pensei que se tratava de uma quebra do código de conduta grave entre dois uruguaios e que tudo podia acabar com o Coates a enfiar-lhe uma chuteira pelo esófago abaixo. Depois percebei que era tudo a brincar e combinado com o Rui Patrício. O Rui Patrício precisava de aquecer para a entrada do Messi e, como se viu depois, adora chatear qualquer Bota de Ouro.

Na segunda parte, tudo mudou. O Jorge Jesus quebrou o pacto de não-agressão. Tirou o pastelão do Alan Ruiz e meteu o Bas Dost. Para que não existissem dúvidas sobre as suas (más) intenções, meteu o Gelson Martins também. O Valverde nem queria acreditar no que via e colocou o Messi a aquecer. Mesmo com ele a correr fora do campo, o Barcelona desatou logo a jogar melhor. De repente, estava no banco a despir o fato de treino. O Jorge Jesus deu imediatamente ordens para deixarmos marcar um golo para que, na dúvida, o Valverde não o metesse. Só assim se explica que, na sequência de um canto, um jogador de metro e meio tenha marcado de cabeça um golo ao primeiro poste sem saltar praticamente.

Mas o Valverde estava furioso e não voltou atrás e o Messi entrou mesmo. Com medo que ele entrasse desembestado e desatasse a correr, fintar e marcar golos, o Jorge Jesus deu ordens para o Bas Dost falhar golos de baliza aberta para não o irritar ainda mais. Não era preciso, como se viu. O Rui Patrício entre o Ronaldo e o Messi não tem dúvidas. É capaz de levar um golo de remate do Ronaldo do meio-campo, mas come remates do Messi à entrada da área ao pequeno-almoço todos os dias. O dois zero só aconteceu porque o Mathieu queria demonstrar que o Rui Patrício só leva golos parvos e sem culpa nenhuma.

Noutro contexto, tudo isto teria acabado com o Valverde a empurrar para trás com a perna despida os lençóis e a passar o cigarro ao Jorge Jesus, depois de uma puxa profunda, enquanto perguntava: “foi tão bom para ti como para mim, não foi?”

Pensei que o Benfica tinha pulverizado todos os recordes da Europa. Não é verdade. Fiquei a saber que não bateu o recorde do Dínamo de Zagreb. Foi por pouco, mas há que dar o mérito a quem o tem. Mesmo assim, não deixa de ser um feito passar a ser a pior equipa que jogou a Liga dos Campeões abaixo dos 45 graus de latitude e a oeste dos 15 graus de longitude.

14 comentários:

  1. LOL, muito bom este texto, nunca comento aqui mas desta vez decidi abrir uma excepção, nada melhor que ler os teus textos para aliviar a minha azia quando o Sporting perde ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Luís Vieira,

      Também escrevo estes textos para desopilar. Para mim, tem enormes efeitos terapêuticos. Ainda bem que também tem para si e para outros.

      SL

      Eliminar
  2. Muito, muito bom! é mesmo disto que um leão precisa para recuperar de um derrota. SL! JPT

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro JPT,

      Disto e de uma vitória contra o Boavista; para além das façanhas do Gloriso na Europa.

      SL

      Eliminar
  3. Excelente texto...terapêutico! Este tipo de terapia só será possivel no seio de sportinguistas. Parabéns

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Obrigado. De facto, não vejo este tipo de terapia mais saudável em outros clubes. A malta gosta mais de andar à porrada.

      SL

      Eliminar
  4. Grande texto!
    Parabéns!
    SPOOOOORTING!

    ResponderEliminar