domingo, 19 de março de 2017

Angelicalm

Marcamos na primeira oportunidade e logo na sequência de um canto. Prometia. Alguns jogadores continuaram o aquecimento. Tivemos um golo bem anulado e uma outra oportunidade pelo Gelson. Marcamos o segundo, outra vez pelo inevitável Dost. E o jogo deveria ter acabado por aí, ou, quando muito, com a ida das equipas para o intervalo. O adversário teve a sua única oportunidade num remate de meia distância, com a conivência, mais uma vez, da equipa do Sporting, que se recusa a atacar as segundas bolas, ressaltos, ou coisa parecida à entrada da área. Uma maçada, dizem-nos.

Na segunda parte, alguns jogadores eclipsaram-se para parte incerta, outros continuaram a aquecer. Outros ainda planeavam calmamente as suas férias. Em campo ficaram o Dost, o Gelson a espaços e o Coates que, de quando em quando, espargia o campo com o spray de angelicalm, tornando a tarefa dos outros jogadores ainda mais pacífica no seu ritmo de aquecimento e férias. Do outro lado parece que existia outra equipa, mas ninguém tinha bem a certeza. Entretanto, devo ter adormecido ou ido para casa jantar. Quando acordei já tinha acabado. Não consta que tenham devolvido parte do dinheiro do bilhete. 

4 comentários:

  1. Nao vi o jogo. Eu é que tive mesmo uma grande dose de Angelicalm! Só nao percebi se o Podence desta vez nao teve o efeito usual no jogo?

    PS: nao sabia que "espargir" tinha um significado próximo de "aspergir". Sempre a aprender! Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu Caro, se não viu basta ler a nossa modesta crónica. Está lá tudo.

      Espargir também é borrifar... Não tem que agradecer!

      Eliminar