quarta-feira, 13 de abril de 2016

Ronaldo e a sua misteriosa equipa de futebol

Ainda não tinha visto jogar o Real Madrid esta época. Centenas de milhões de euros depois, a equipa chega a ser ridícula. Como têm quatro ou cinco médios que não são carne nem peixe, o único que pode jogar a trinco é o Casemiro. O Sérgio Ramos é um caso gritante de incompetência. Há uns anos atrás, o Pepe dava conta do recado sozinho. A caminhar para os quarenta anos, seria conveniente arranjar-lhe um parceiro de lado.

Mas há mistérios mais interessantes.

O Toni Kroos é um deles. Nem ataca nem defende bem. Tem bom toque de bola parado e a jogar devagar. É um Aquilani mas sem pinta. Falta-lhe o corte de cabelo à maneira e a barba aparada. É um Aquilani em armário, o que não faz qualquer sentido: ou se é um Aquilani ou se é um armário.

Ninguém consegue perceber como é que uma equipa que tem o Carvajal se lembra de contratar o Danilo. O Carvajal é que liga a defesa ao meio-campo e ao ataque. O jogo do Real Madrid é uma autêntica anarquia no meio-campo a defender e a atacar. Os jogadores não se mexem, ficando a dúvida se conseguiam mexer-se mesmo que quisessem. O Carvajal é o dos poucos que percebe que estando de calções e de chuteiras é suposto comportar-se como um atleta, correndo e trocando umas bolas com os colegas em progressão.

A contratação do Bale só pode ser explicada ou como uma operação de especulação financeira ou como uma operação de lavagem de dinheiro. Não custa admitir que faça parte de um derivado tóxico transacionado pelo Lehman Brothers com um tripo A atribuído pela Moody's ou pela Fitch. Não consigo acreditar que um cartel colombiano com um mínimo de competência se metesse numa operação de lavagem de dinheiro que desse tanto nas vistas. Esperemos que o Panama Papers nos esclareça em definitivo.

Sobra o Ronaldo. É melhor dizer de outra forma, sobram todos os outros. Marcou três. O primeiro à ponta-de-lança, aparecendo onde sempre aparece e onde a defesa nunca parece prever que vai aparecer. O segundo a demonstrar o grande atleta e jogador que é. Desmarcação rápida, grande impulsão e cabeceamento em grande estilo com a bola a entrar no ângulo inferior da baliza ainda antes de lhe sair da cabeça. O terceiro antes de entrar estava escrito na história que ia entrar. O Ronaldo sozinho ia eliminar o Wolfsburg. Tinha marcado dois. Faltava mais um. Foi de livre. Se não fosse, seria de outra forma qualquer.

10 comentários:

  1. E pronto, o Oliver Khan lá vai continuar a ver mais vezes o 6-pack do Ronaldo, que os seios da sua bela esposa.
    O que é uma pena diga-se....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Isso é que é um problema, dos verdadeiros.

      SL

      Eliminar
  2. Caro Rui,

    Esqueceu-se do que para mim é o melhor PL do mundo...Benzema. Que se movimenta como poucos e que complementa e muito bem CR7.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Tenho uma excelente opinião. Agora, não me pareceu em boa forma. Quando saiu estava à beira do esgotamento. Por outro lado, o homem passa metade do tempo lesionado e a outra metade em risco de ir preso.

      SL

      Eliminar
  3. Caro Rui,

    Há muito tempo que o Madrid se transformou num parque temático, onde, por vezes, se joga à bola.

    O Cristiano já devia ter saído...
    Se quiser dar um passo em frente na carreira estou certo que o Sporting o recebe de braços abertos.

    Abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Gabriel,

      Não se arranja melhor conceito para aquele clube: parque temático.

      Um abraço

      Eliminar
  4. Caro Rui,

    Não é fácil perceber o Real Madrid. A sua política de contratações nem vale a pena tentar perceber: qualquer explicação a que tentemos chegar acaba sempre numa qualquer teoria da conspiração. Rico clube, pobres adeptos.

    No entanto há algo que acho ainda mais difícil de perceber: como é possível haver Portugueses que gostam de futebol e não veneram do Ronaldo como jogador?

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro João,

      A do Cristiano Ronaldo não consigo perceber. Veem-se coisas escritas que não lembram a ninguém. Não vejo mal nenhum em considerarem o Messi melhor. O que mete confusão é que usem o Messi para desvalorizar o Ronaldo. É ridículo duas vezes. O Messi é extraordinário com ou sem Ronaldo. O Ronaldo é extraordinário com ou sem Messi. -ambos ficarão na história do futebol mundial.

      SL

      Eliminar
  5. Esta crónica está ao nível de uma anterior que falava de dois defesas... o maníaco e o depressivo. AHAHAHAHA.
    Tão bom que faz inveja!
    A maneira como fala de futebol faz-me lembrar algumas coisas que li do Pedroto e de ingleses da velha guarda como Brian Clough. O futebol é um mundo próprio e as suas leituras(do jogo) são muito mais apelativas que a grande maioria dos jornalistas que só acrescentam "fermento" e empolação ao que querem enaltecer, quando me parece que esse mundo é mais simples e cruel do que aquele que nos pintam.
    O futebol visto pelos seus olhos é mais humano... mais próximo das falhas que todos temos enquanto espécie. Com a devida distância, algumas das suas crónicas fazem-me lembrar a doce ironia usada por Woody Allen. É um humor pungente, parabéns!
    SL
    Basco "O Leão"

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Muito obrigado pelas referências. Escreve-se para que se possa ser apreciado por quem nos lê. Quanto à comparação com Woody Allen é que a coisa fia mais fino. A semelhança fica-se nos óculos: eu tenho e ele também.

      Um abraço

      Eliminar