domingo, 25 de outubro de 2015

Ai Jesus!...

Foi uma “ai Jesus” permanente. “Queres ver, queres ver que o Téo ainda marca. Ai Jesus!” Ó Luisão olha o Slimani! Ai Jesus!” Não deixes ir o Slimani, vai, vai-te a ele! Cuidado com o Ruiz! Ai Jesus!”

Não recebemos “kit” Eusébio. Se recebêssemos, vínhamos com uma camisola do Benfica e quatro “vouchers”. Viemos com três “vouchers” que o limite da UEFA não dá para mais. Viemos com o “kit” Jesus. O Luisão ainda tentou. Deixou o Júlio César desconjuntado. Vão ser necessários mais uns tantos emplastros espalhados pelo corpo todo para o rapaz se refazer para os próximos jogos.

A segunda parte chegou a ser deprimente. O Sporting fazia de contas que pressionava a defesa e o meio-campo. O Benfica trocava a bola até o Samaris se lembrar de lançar o Rui Vitória pela linha lateral, como quem diz: “o que é que eu faço com esta coisa? Diz qualquer coisa. Faz qualquer coisa. Desmarca-te, corre, pelo menos”. O Rui Vitória, nada.

Até agora, o Sporting tinha gerado grandes danos reputacionais ao Benfica, segundo a sua Direcção. Danos de quarenta milhões de euros pelo menos. Depois deste jogo, os danos reputacionais não têm preço.

16 comentários:

  1. Quase tão brilhante quanto o jogo :D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      O jogo foi muito melhor. Não sei o que sublinhar. Se o "ai Jesus" da defesa, se os lançamentos do Samaris na segunda parte para o Rui Vitória ou o remate de mais de trinta metros da baliza do Luisão.

      SL

      Eliminar
  2. Excelente post, fez-me rir desalmadamente. Parabéns e saudações leoninas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigado. Cada vez que me lembro do jogo, ainda me rio.

      SL

      Eliminar
  3. Muito bom...

    Eu, (que hoje fui) Inácio me confesso: ainda bem que eu não trabalho em Futebol, pois está claro que é algo que eu não percebo nada.

    Há um Sporting com JJ que não se viu em décadas.
    Em campo, há um Sporting com William e há (ou houve) um Sporting sem William. As nossas tristezas desta época estão directamente ligadas com a ausência deste nosso Enorme jogador.

    Vitória muito saborosa e merecida.

    Logo no fim do jogo, um amigo meu enviou-me um sms dizendo: "agora é gozar com os lampiões".
    Discordei, respondendo: "o maior gozo está patente na forma como eles jogam: ZERO"

    Venha de lá o Estoril.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Completamente de acordo consigo. Maior gozo do que o próprio jogo não pode haver. A total sensação de impotência na segunda parte culminado com o remate do Luisão para a sua própria baliza, deve-lhes roer as entranhas por uns tempos.

      Esta vitória serve de pouco se depois não formos competentes nos outros jogos.

      Um abraço

      Eliminar
  4. Excelente texto!

    Um grande obrigado ao presidente-adepto por nos proporcionar este merecido momento com um golpe de mestre: a contratação do mestre da táctica!

    SL
    Lanterna Verde

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Não é só pelo que faz pelo Sporting. É também pela azia que provoca nos benfiquistas.

      SL

      Eliminar
  5. Um autentico banho de bola! E sem apertar, apenas controlando o jogo. Somos uma grande equipa. Curioso ou não o Sporting jogou hoje na Luz com o seu equipamento principal (como consta nos estatutos) com calção preto, coisa que já não jogávamos desde há várias dezenas de jogos. Este é o nosso equipamento e devemos jogar com ele 90% dos jogos. Foi com este equipamento que vi, no velho José Alvalade, jogar M.Fernandes, A. Oliveira, Manoel, Luisinho, André Cruz, Jordão,Acosta, etc. SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Foi um dos jogos mais fáceis deste campeonato. Transpirámos bastante mais com outros adversários.

      SL

      Eliminar
  6. São tantas as fontes de boas notícias hoje, que me esqueci de passar aqui, como costumo. Demorei demasiado tempo!

    Obrigado! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Eu é que agradeço. É bom tê-lo por cá.

      SL

      Eliminar
  7. Caro Rui,

    Não é fácil escrever depois de um jogo tão brilhante.

    Não estou habituado a ver jogos na BTV e na primeira meia hora dei comigo a pensar se estariam a transmitir em diferido o jogo com o Vilafranquense para a taça. Não confio naqueles tipos. Lá percebi que não era o caso, mas acho que a confusão era aceitável: o Benfica de Rui Vitória é tacticamente semelhante ao Vilafranquense.

    Desfeitas as dúvidas esperava uma reacção do Benfica na 2a parte. Nada, nem com a prenda do Naldo evitaram que o remate mais perigoso do Benfica fosse o tal do Luisão. Pena não ter entrado, o golo era merecido.

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro João,

      Também não estava habituado à Benfica Tv. Festejaram o tal minuto 70 como se tivessem ganhado o jogo. Consideraram que uma biqueirada do Samaris prenunciava uma autêntica avalanche de ataque benfiquista.

      O que me impressionou foi a falta de qualidade do Benfica, sobretudo na segunda parte. É que, com rigor, a única jogada parecida com uma oportunidade foi oferecida pelo Naldo. Na segunda parte, estavam completamente conformados. Estavam de gatas física e animicamente.

      SL

      Eliminar
  8. Meu caro amigo escapou-lhe, o que não é seu costume, o essencial: O Minuto Setenta. Em si é raro esta falha mas mais desiludido fiquei quando esta manhã reparei que A Bola e o Record deixaram escapar o cabeçalho a vermelho que eu tinha antecipado …«O Maravilhoso Minuto Setenta».
    Outra ausência de intervenção que notei e que temi até ao apito final foi a do Sr. Silva, esse, o Cavaco. Ele não é pessoa (podia ficar por aqui) para aceitar underdogs a questionarem os poderes instituídos. Fica para a próxima. Folguemos até lá. Resisti e não falei no João Pereira e no Teo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      O minuto setenta fica para a eternidade. Nós temos que nos contentar com coisas mais terrenas. Ficamos com os três a zero. Cada um fica com o que pode e merece.

      Um abraço

      Eliminar