segunda-feira, 1 de setembro de 2014

O Artur

Não vi o jogo de ontem. Não ouvi o relato também. Vinha em viagem, no regresso de férias. Quando viajo em família não me permitem semelhante veleidade. Parei numa estação de serviço e ouvi os comentários ao jogo.

Daquilo que ouvi, compreendi que foi um jogo em que de um lado esteve o Benfica e do outro o Artur. Talvez tenha estado outra equipa também. Depreendo-o dos meus profundos conhecimentos futebolísticos. Mas é uma suposição. Nada do que ouvi me leva a infirmá-la.

Vamos ao Artur, porque nesta altura não há cão nem gato que não tenha efetuada uma análise técnico-tática profunda  ao Benfica. Nada desculpa a falha do Artur. Mas esta falha tem vários responsáveis, nomeadamente o Jorge Jesus. Quem viu o jogo do Benfica contra o Rio Ave assistiu a dobrar aquele gague. Não deram em golo, mas por mero acaso. Os laterais mais ou menos pressionados passam a bola ao Artur. O Artur não tem tempo para se virar com a bola e passá-la a um colega. Em vez de chutar a bola para a bancada do lado em que está virado, tenta, mesmo assim, que o Benfica não a perca.

Uma vez, pode-se atribuir à idiossincrasia do guarda-redes. Quando acontece mais do que uma vez, é porque o treinador dá ordens explícitas para que os defesas atrasem as bolas naquelas condições, estando o guarda-redes proibido de a mandar para a bancada. Mas, como o Jorge Jesus é o rei da tática, a culpa não pode ser dele. Tem de ser do Artur.

Quanto ao resto, vi o Slimani falhar as duas principais oportunidades de golo. Na última, mesmo a acabar o jogo, o malogrado Artur fez uma defesa do outro mundo. Fez a defesa do jogo. Ganhou um ponto ao Benfica. O Patrício também fez boas defesas, mas nada como aquela. Aliás, é o que se espera que faça. É o melhor guarda-redes português. É o melhor guarda-redes do campeonato.


(Também gostei de ouvir que esta foi, de longe, a melhor exibição do Sporting na Luz nos últimos anos. A memória é traiçoeira e muito seletiva. Assim de repetente, lembrei-me do limpinho, limpinho de há dois anos e do jogo contra o Duarte Gomes na Taça de Portugal do ano passado)

9 comentários:

  1. Estou de acordo consigo! Essa de afirmarem com os pés juntinhos, que terá sido a melhor exibição do Sporting na Luz nos últimos anos, só de jornalistas tugas! Razão tinha o Donovan: "cabelos longos e ideias curtas", para não falarmos de... memórias!...

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Eles não fazem isto por mal. Entusiasmam-se demasiado com o Benfica.

      SL

      Eliminar
  2. Desconstrua, caro amigo, desconstrua.
    A viagem correu, pelos vistos, bem. O resultado do jogo, não sendo o merecido, não foi mau. E o João Querido Manhas foi despedido. Assim, nem tudo vai mal neste “regresso ao futuro”.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      A tática de colocar um benfiquista mais benfiquista do que o Eusébio à frente do Record não terá corrido bem. Tem que ser um que disfarce melhor.

      Um abraço.

      Eliminar
  3. Caro Rui,

    Como sempre um observador atento, mesmo sem ver o jogo.

    Confesso que apenas li as primeiras páginas dos jornais, mas foi suficiente para ficar a saber que um golo aos 19 minutos é garantia de empate na luz. Daí concluo que se o Artur não tem defendido o penalti com o Paços este teria ganho de certeza, tal a incapacidade da equipa do Benfica em reagir a golos concedidos.

    SL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro João,

      Os comentadores estão sempre excitados com o Benfica. Não lhes passa pela cabeça que o Benfica e a luminária do Jesus possam não ganhar o jogo. Não ganhando, a culpa foi de um epifenómeno qualquer. Desta vez foi o Artur. Outras vezes é o azar.

      Um abraço

      Eliminar
  4. Quando vi o Artur entrar em campo vestido com o equipamento alternativo do Sporting vi logo que dali vinha lucro.

    ResponderEliminar