sexta-feira, 15 de novembro de 2013

Versatilidade tática do Paulo Bento

A seleção dispõe de dois planos de jogo. Normalmente, jogam onze, com o Postiga, e espera-se que o Ronaldo decida. Se as coisas não estiverem a correr bem, jogam onze, sem o Postiga, e espera-se que o Ronaldo decida.

Contra a Suécia não estava a correr bem o primeiro plano. O Paulo Bento mudou para o segundo e ganhámos. É o que se espera de um treinador. Que saiba mudar de tática quando as circunstâncias o determinam. É esta versatilidade tática que distingue o Paulo Bento como treinador.

11 comentários:

  1. Loool
    N fosse trágico e a vontade de rir era ainda maior :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Só dá vontade de rir tal é a dimensão da tragédia. A sorte foi que a Suécia estava desconfiada, e com razão, do Ronaldo.

      Eliminar
  2. Adorei o nosso jogo de pontapé para frente e directo para Ronaldo e Postiga, os constantes cruzamentos pelo ar (ironicamente o golo foi uma dessas mil e uma tentativas) e os cantos sempre marcados pelo ar e de forma directa (pedia-se cantos curtos, bolas no meio, para tirar da posição os gigantes jogadores suecos).

    Mas é um bom resultado, o que permite Portugal jogar ainda de forma mais directa na Suécia, em busca do tal que joga com os outros 10 jogadores, o Cristiano Ronaldo.

    (esperava muito mais da Suécia)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      De facto ninguém consegue perceber o nosso sistema de jogo, admitindo que temos um. A sorte foi o Miguel Veloso ter feito o que, ainda sim, sabe fazer melhor, que é de defesa esquerdo e o Ronaldo jogar do nosso lado.

      Eliminar
  3. Tenho, por princípio moral, bastantes dificuldades em «oprimir os oprimidos» daí que, no leque de apostas do Paulo Bento, o Postiga não me mereça reparos extras. É um rapaz simples que fez carreira mediana no FCP e no SCP mas, corajoso e motivado, ainda foi para Espanha onde conseguiu lutar (enganar?) e chegar, por mérito, ao Valência. Na seleção «de todos nós» é apenas o melhor marcador, o que certamente dirá pouco da seleção, mas é esforçado, abnegado, direi mesmo que em algumas jogadas, suicida. Tosco mas esforçado, afinal um estigma nacional. Faz o que pode e mais não sabe. Nem me vou dar ao trabalho de falar do Martelão que é o seu suplente.
    Para escolher um "marreta" poderia escolher outros candidatos, igualmente gente esforçada que dá o que tem e o que não tem, como o J. Pereira, à direita, o Coentrâo à esquerda, o Variações no centro, os Pastelão do Miguel, o Nani Invisível. Mas a minha escolha recai no Cagão do banco. Este sim, por que é quem governa a nau, o meu candidato favorito. Não inova, não renova, não motiva.
    Basicamente, vivemos momentos tristes na seleção. Tão tristes como o selecionador. Mesmo assim, talvez ainda possam ir até ao Brasil, não sei muito bem para fazer o quê, mas vendo os outros, antes eles.
    Um ponto positivo, o Ruben Micael nem para o banco foi.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu caro,

      Oprimidos fomos nós durante os anos que lá o tivemos no nosso Sporting. De facto, o Paulo Bento parece-se cada vez mais com o Queiroz.

      Um abraço.

      Eliminar
  4. Uma das melhores definições que vi até hoje de Paulo Bento! Parabéns.

    SL

    ResponderEliminar
  5. Brilhante.
    Uma aposta que amanhã não será diferente?
    Equipa que ganha... não se mexe!

    E nada melhor que contra uma selecção destas continuar a cruzar pelo ar, bater cantos pelo ar... se na sexta houve vinte e tal cruzamentos (lei dos grandes nºs, lá entrou um a fazer ricochete na barriga do sueco), terça não será diferente. Meia-distância... naaa!! Assim funciona.

    Não indo ao Brasil, a selecção (treinador e selecionados) tem que levar uma volta... Indo, também deveria levar, mas duvido que o PB o faça.

    ResponderEliminar